Semana de pico, longão 1: bom dia, dia!

De todos os horários do dia, correr pela manhã sempre foi a minha preferência. Tem alguma coisa sobre o cheiro, a preguiça nas calçadas, os idosos saindo com jornais debaixo do braço e as crianças seguindo para as escolas que funciona como uma espécie de boas vindas às horas que estão por chegar.

Mas, nessa semana de pico, encaixar um longão de 2h30 em plena terça significou madrugar de verdade, saindo antes das 5:30. E, nessa época do ano, Sampa está totalmente às escuras a essa hora. 

Sem problemas: saí cortando a escuridão e o silêncio com passadas ritmadas e com o som da água balançando na mochila de hidratação. Swoosh, swoosh, swoosh, swoosh…

O plano era simples: seguir em uma corrida muito leve até completar 1h45, quando engataria em uma tempo run por 20 minutos e depois voltaria ao ritmo anterior completando o circuito.

E, por circuito, entenda-se chegar no Ibira pela Groenlândia, dar três voltas por fora do parque (com uma ou outra entrada para pegar a trilha) e voltar, subindo via Ministro Rocha Azevedo.

Antigamente, qualquer treino de mais de duas voltas já me deixava entediado: repetir percurso era tudo que eu mais odiava. Hoje, no entanto, percebi que isso mudou: o percurso em si passou a importar menos. Duas, três, quatro voltas? Sem problemas: o foco passou para o lado de dentro, para a mente e para o turbilhão de pensamentos que correm dentro dela. Correr, já há algum tempo, deixou de ser físico e passou a ser mental. A ser zen.

A paisagem, nesse caso, serve para aqueles momentos em que se quer dar um tempo de si mesmo, respirar melhor e olhar em volta para se sentir mais vivo. Simples assim. E prático – muito prático. 

Aliás, aprendemos a ser práticos quando corremos por tantas horas como parte de uma rotina. 

Mas 2h30 em uma terça, decididamente, não era rotina. Cansa pelo imprevisto, pelo esforço com cara de sábado apimentado pela aceleração entre 1h45 e 2h05. 

Ainda assim, por mais longas que sejam as corridas, elas sempre terminam. E às 8:00 estava em casa.

O dia ainda estava com cara de manhã: trabalhadores parados em bancas lendo os jornais pendurados nas laterais, babás retornando sozinhas das escolas das crianças, cachorros e seus donos entrando de volta em seus prédios. 

Hora de começar o dia: o próximo longão, também de 2h30, será apenas na quinta. 

amanhecendo

A reta final

Hoje se inicia um dos períodos mais cruciais de todo o processo de treinamento para a Douro Ultra Trail: as três semanas finais. E, dado o pouco tempo de treino em todo esse processo de transição, não serão três semanas fáceis (como pode ser visto abaixo).

Screen Shot 2014-08-24 at 7.02.31 PM 

Essa, por exemplo, contará com três longões (dois de 2h30 na terça e quinta e um de 5 horas no sábado). Na sexta anterior, uma série de fartleks servirá para complementar a planilha com pitadas fundamentais de velocidade. Deverei chegar ao fim do último longão bem cansado – mas aí entrará uma estratégia diferente das que usei em ultras anteriores, principalmente pela inutilidade que períodos de tapering/ ajuste fino mais tradicionais tiveram para mim no passado.

Primeiro, mudarei toda a rotina começando pelo domingo, dia normalmente utilizado para regenerativos e que será, neste caso, de puro descanso. 

A semana que vem, por sua vez, começará com treinos já na segunda, emendando com terá e quarta. Em geral, serão treinos mais leves – mas ainda com alguns exercícios de velocidade. Viajarei para Portugal na sexta, dia 5 – mas o dia será aberto com um longão de 2 horas essencialmente compostos de tempo runs encavalados. Sábado será dia de descanso e, no domingo, apenas 40 minutos leves fecharam esse período que somará um total acumulado de 6 horas.

Finalmente, a semana de prova terá 4 treinos: um leve e curto na segunda, um mais puxado na terça, uma sessão de fartleks na quinta e 15 minutinhos levíssimos na sexta apenas para soltar as pernas e aliviar a ansiedade. Essa tática, aliás, me foi passada por um dos meus ídolos, o Bruce Fordyce, quando me preparava para a Comrades – e funcionou super bem. 

A partir daí é largar na DUT e torcer para que toda essa nova rotina de reta final funcione tão bem na prática quanto no papel. E, se ajustes forem exigidos pelo corpo ao longo do caminho, certamente nada me impedirá de fazê-los!

 

Checkpoint 10: Entreposto, descanso e preparação

Não dá para dizer que esta foi uma semana intensa: rodei pouco menos de 6 horas, não cheguei sequer a 60km e nem atingi os mil metros de ganho altimétrico acumulado.

Ainda assim, foi uma espécie de desaceleração importante por ter vindo logo depois da semana da Indomit que, sob chuva e quedas, deixou as suas marcas no corpo.

Depois de um dia de descanso, as dores musculares realmente evaporaram como que por milagre. Creio que esse volume de corridas longas e provas complicadas estejam fazendo o corpo aprender a se recuperar em intervalos menores, algo sempre bem vindo.

Por outro lado, o desaparecimento das dores musculares fez aparecer uma dor que deveria estar meio escondida até então, fruto de uma das quedas mais pesadas da Indomit onde acabei dobrando meu joelho esquerdo com a mesma “determinação” que um ginasta olímpico. Na hora, lembro que doeu e que falei para mim mesmo que me lembraria daquele momento no futuro próximo – ou seja, agora. Mas não há de ser nada demais (espero): afinal, estou conseguindo fazer os treinos normalmentee, aos poucos, ela está seguindo o seu rumo em direção ao esquecimento. Torçamos para que não demore a chegar lá.

Fora, isso, estou inteiro e pronto para a próxima, encarando este momento entre provas, este entreposto, como ele deve ser.

Semana que vem será o pico do treino para a Douro Ultra Trail e contará com 3 treinos intensos: dois longões de 2h30 cada (terça e quinta) e outro de 5 horas no sábado, onde provavelmente irei na USP. 10 horas em três dias, portanto, incluindo aí um ou outro tiro no meio do primeiro longão.

Feito isso, é administrar a aterrissagem até a largada da DUT, na serra portuguesa. Que bom: a ansiedade por atingir essa meta já está começando a se construir de forma determinante!

Screen Shot 2014-08-24 at 1.53.04 PM

O difícil planejamento do período entre provas

Quando se está entre duas provas alfa, há uma sensação de tempo. Desde que terminei Comrades e me inscrevi na Douro Ultra Trail pude organizar treinos, planejar provas de teste e preparar todo o caminho entre ponto A e ponto B. 3 meses pareciam longos o suficiente para qualquer preparo.

O problema não estava aí, entre a Comrades e a DUT.

O problema está entre a última prova teste e a alfa – principalmente quando os cronogramas são apertados.

No meu caso, entre a Indomit, no sábado passado, e a Douro Ultra Trail, em três semanas.

Hoje é quinta – e, claro, estou ainda em processo de recuperação dos danos causados ao corpo por 6 horas e meia de corrida em 42km de trilhas absolutamente encharcadas e técnicas. As pernas doem, os joelhos incomodam, os pés ardem.

Os treinos desta semana até estão mais leves do que o normal – só que, sendo franco, apenas mais dias de descanso absoluto me deixariam em forma de novo. Dias que, pela proximidade dos 80km do DUT, eu não tenho.

Então, esta semana, estou convivendo com a dor. Treinei leve na terça e quarta, com uma pausa hoje (por conta principalmente de uma viagem bate-volta a trabalho, eliminando a chance de dormir um pouco mais). Amanhã, sexta, tenho intervalados; sábado, um longo de 2 horas; e domingo, um regenerativo leve.

Se tudo der certo, a dor e a fadiga serão gerenciados de maneira a irem diminuindo levemente, aos poucos, até ficarem mais suportáveis. Pelo menos esse é o plano.

Segunda é dia de descanso e de esperança de estar “zerado” – ao menos dentro do minimamente plausível.

A semana que vem, por sua vez, será a mais chave de toda a reta final rumo à DUT, com três longões inseridos em 5 dias.

Só que descobri que, quando se está no extremo da exaustão, a mente deve se focar no curto prazo, em vencer um dia de cada vez. Semana que vem é outra história.

Por enquanto, a meta inclui me concentrar no corpo e na presença desta linha tênue entre a manutenção do treinamento e a possibilidade de lesão. Por enquanto, todo o esforço deve ser feito para me manter em um único pedaço, inteiro, saindo da zona de perigo o quanto antes (mas sem pânico ou afobações que possam prejudicar o objetivo final).

Calendários curtos entre provas alfa tem disso: afinal, são 3 meses entre correr os 90km de Comrades, transicionar para as trilhas e partir para 80Km nas montanhas portuguesas. Talvez eu realmente tenha sido agressivo demais, quase descuidado. Talvez precisasse mesmo considerar um tempo maior para este processo todo.

Mas, como chorar o leite derramado não adianta, é hora de respirar fundo, me concentrar no próprio corpo e nos desafios diários.

É hora de seguir em frente.

IMG_5132.JPG

Checkpoint 9: Segunda meta cumprida

Não há muito o que falar além do que já comentei no post de ontem: a semana inteira girou em torno da segunda meta do meu plano rumo à Douro Ultra Trail: fazer a Indomit Bombinhas.

Neste ponto, o importante de comentar é que levei a semana como normal, sem fase de tapering ou nenhum tipo de diminuição. Ao contrário: fiz os três treinos em dias úteis, mesclando tanto volume quanto intensidade (via tempos e tiros) e cheguei em Bombinhas como se fosse um final de semana normal.

Só na largada da Indomit é que senti um pouco o cansaço ampliado pela areia fofa dos primeiros metros. Mas, ainda assim, sacudi o corpo e voltei ao normal, encarando a prova com sangue nos olhos.

Em resumo (e com alguma dose de orgulho): tudo saiu perfeito.

Segunda fase completa. A próxima agora é lá em Portugal.

Screen Shot 2014-08-16 at 10.39.00 PM

Screen Shot 2014-08-16 at 10.49.47 PM

IMG_5077.PNG

Vídeo com dicas para a Indomit K42 Bombinhas

Empolgado pelo vídeo de ontem, sobre o DUT, acabei acordando para o fato de que minha preocupação maior deveria ser a Indomit K42 que, afinal, acontece neste sábado!

Pelo jeito, será uma corrida com direito a muita chuva, lama e todo tipo de dificuldade que serve como boas vindas para novos corredores de trilha como eu. Como o vídeo da prova tem apenas imagens promocionais, busquei um da MidiaSport mais interessante, com relato gravado ao longo da prova e ilustrando melhor os seus altos e baixos. Para quem se interessar vale conferir abaixo.

(O post feito pelo Enzo Amato também é bem interessante e pode ser acessado clicando aqui.)

Video da Douro Ultra Trail no ar

Toda prova-alvo tem uma coisa em comum: a ansiedade de quem pretende corrê-la. E, quando a organização sabe capitalizar em torno disso, essa ansiedade cresce ainda mais.

Capitalizar, nesse caso, significa gerar imagens, posts em redes sociais e, principalmente, vídeos que deixam o corredor com água na boca, contando os dias para a largada. A organização da Douro Ultra Trail – minha prova alvo em todo esse processo de transição do asfalto para as trilhas – acabou de fazer isso com um vídeo muito, muito bem montado. Vale conferir abaixo:

Checkpoint 8: Tapering para o Indomit K42?

Tapering (ou polimento)? Apesar dessa ter sido a semana anterior à Indomit K42, raras vezes tive períodos tão puxados de treino!

Não só pela meia com tempo runs na quarta, logo após uma sessão de tiros na terça e antes de outra de fartleks na quinta – quando, aliás, tive a minha primeira quebra em treino. Mas o próprio longão, com direito a 3 subidas e descidas no Pico do Jaraguá alternando entre estrada e trilha, foi intenso.

Hoje, mesmo depois de um regenerativo bem leve, estou bastante dolorido e sentindo cada milímetro da musculatura. Por um lado, há a natural preocupação com a recuperação antes da prova, no sábado; mas, por outro, há também o fato de que nunca soube lidar bem com esse negócio de tapering, diminuindo volume às vésperas de uma prova para deixar os músculos mais frescos. A bem da verdade, todos os taperings que fiz foram pontuados por dores esquisitas, gripes súbitas e toda uma leva de inconveniências que me deixaram bem pior do que estava mesmo no auge do cansaço.

Assim, correr o Indomit lá em Bombinhas será uma espécie de teste. Pegarei mais leve ao longo da semana – mas bem pouco, apenas para não forçar os limites desnecessariamente. A ideia é encarar a maratona como se fosse um treino normal e ver como me sinto, calibrando melhor o treino pre-prova para a meta final desse processo todo (a Douro Ultra Trail, em setembro).

Tomara que funcione bem!

Em paralelo, apenas uma nota importante (para mim): essa semana passei dos 2 mil metros de altimetria acumulada, uma espécie de marco psicológico para mim e pico de treino até agora! Gráficos abaixo:

Screen Shot 2014-08-10 at 12.17.40 PM

Checkpoint 6: Novo tênis, nova rotina de subidas, longão acima de 4 horas

Essa semana trouxe três “novidades” importantes ao ciclo de treinamentos. O primeiro, claro, foi o tênis: sem me adaptar direito à forma do Merrell Trail Gloves, que me causou duas bolhas, acabei migrando para o Sketchers GoBionic Trail por indicação do Jósa, do Endorfine-se.

Hoje foi o terceiro dia que rodei com ele, mas o primeiro realmente longo. Sendo bem direto: ele funciona. Adapta-se bem aos pés, tem um grip forte o bastante e é minimalista dentro das possibilidades de minimalismo das trilhas. Falo isso porque, sendo bem sincero, o tamanho do seu solado é a única coisa que me incomoda – muito embora ele cumpra o papel de proteger os pés das “abruptidões” encontradas fora do asfalto. Mas meu desejo mesmo era que os pés criassem calos e ficassem imunes a bolhas para que pudesse voltar ao modelo mais natural do Merrell. Enfim… quem sabe um dia isso não aconteça?

Outro ponto importante: inseri a subida da Ministro Rocha Azevedo em todos os treinos, acrescentando uma pequena volta no caminho para casa e uma grande ladeira. Estava sentindo falta de mais subida, principalmente depois de fazer os cálculos de altimetria do DUT e, embora saiba que o problema não foi “resolvido”, estou seguro de ter pelo menos amenizado um pouco. Agora é dar tempo ao tempo.

Finalmente, o terceiro e último ponto importante dessa semana foi o longão acima de 4 horas, algo que já estava sentindo falta e que acabei fazendo hoje mesmo por conta de um imprevisto que tive ontem. Resultado: rodei pouco menos de 40K e me senti bem – muito bem. Isso tudo em uma USP no domingo chuvoso, totalmente deserta e com um silêncio quase zen. Perfeito.

Semana que vem tem mais coisas interessantes acontecendo, incluindo uma viagem a trabalho para Paraty na quinta. Como voltarei apenas no domingo, isso me deixará correr por aquela paisagem incrível do sul carioca, rodando morros e bebendo os mares com os olhos, por horas a fio. Tem treino melhor do que esse?

Gráficos da semana abaixo:

Screen Shot 2014-07-27 at 1.40.15 PM

#BoasTrilhas

O longão que ficou só na cabeça

Sabe essa imagem abaixo?

20140726-083734-31054648.jpg

Estrada longa e vazia, só esperando para ser corrida? Hoje, foi assim mesmo que ela ficou: vazia.

Meu longão previsto de 4 horas, o maior antes da Indomit, virou uma corridinha de 10K por conta de imprevistos que, afinal, cismam sempre em aparecerem nos piores momentos.

Apesar dos treinos duros das últimas semanas, perder um longão desses traz questionamentos. Será que matei todo o processo de treino com esse furo? Será que o DUT ficou agora tão tangível quanto essa estrada vazia? Será que tudo foi pro espaço?

A razão me manda calar a mente; a mente me manda calar a razão.

E, meio decepcionado pela perda e frustrado com os possíveis desdobramentos dela, só me resta o replanejamento.

Amanhã, afinal, ainda é domingo. Quem sabe, se o imprevisto não durar até lá, o longão de 4 horas possa apenas ter trocado de dia?