Mais Olimpíadas

Na rua, em pleno domingo de manhã cruzando o centro do Rio, elas cruzaram meu caminho. Sensacional.

Inesquecível.

Ver essas monstras ao vivo, de perto, é outra daquelas coisas que jamais se esquece.

Anúncios

Inspiração olímpica descalça

Originalmente, a ideia de ir para a Olimpíada era mais para sentir o clima do evento no Rio: a soma de brasilidade com o maior evento esportivo do mundo e com a Cidade Maravilhosa dificilmente daria um resultado ruim.

E, já que eu iria, assistir ao atletismo seria quase óbvio.

Já que assistiria ao atletismo, por que não ver o Bolt?

E, assim, lá fomos nós (minha mulher, minha pequena filha e eu) no sábado de manhã até o Engenhão para conferir a lenda. O que não poderia prever, claro, é que uma outra corrida seria muito, mas muito mais impactante.

Nada contra o Bolt, claro – mas o que aconteceu com a etíope Etenesh Diro nos 3 mil metros com barreira foi imbatível.

Já no começo da prova, quando a pista fica embolada de pernas e braços, um acidente acabou derrubando algumas atletas e deixando um dos tênis da etíope meio para fora. Em uma fração de segundos, Diro deve ter pensado na prova, no que faria e nas chances reduzidíssimas de vitória daquele jeito, provavelmente destroçando um sonho para o qual ela estava mais do que preparada (sendo considerada uma das favoritas).

E o que ela fez? Parou, tirou o tênis e a meia de um dos pés e saiu correndo descalça! Correndo não – voando: ela seguiu em uma velocidade inacreditável, ultrapassando atleta após atleta e chegando em sexto lugar.

Enquanto isso, a torcida que lotava o Engenhão simplesmente urrava, uníssona e descrente, tendo instantaneamente adotado a heroína olímpica. Tudo: o estádio, a velocidade, os telões e até o céu parecia empurrar Diro através dos quilômetros e da dor.

Sim, muita dor: a corrida era com obstáculos, o que agrega uma dose de impacto considerável aos pés de quem quer que seja. Na velocidade que ela estava, tanto pior – o que ficou claro depois que Diro desabou no chão em prantos assim que cruzou a linha de chegada.

Inacreditável.

Horas depois, apesar da colocação abaixo do limite de qualify, os juízes acabaram determinando que o acidente no início atrapalhou a corrida e colocaram as prejudicadas – incluindo Diro – na final. Vaga mais do que merecida.

Uma coisa é ver corridas. Outra é ver Olimpíadas.

E outra, totalmente diferente, é ver de perto o espírito olímpico.

São daqueles momentos que nunca vamos esquecer.

Screen Shot 2016-08-15 at 10.06.18 AM

 

 

 

Treinamento (espiritual) para o Caminhos de Rosa finalizado

Desde sempre, dividi o treinamento para o Caminhos de Rosa em duas partes.

A primeira, mais óbvia, incluía toda a planilha de 6 meses de treino exaustivo. Foi feita – resta apenas a fase de polimento, um cisco perto do tanto que já suei e me preparei.

A segunda era a espiritual, me impulsionando para dentro do universo de Guimarães Rosa.

Nos últimos 4 meses, portanto, li “Grande Sertão: Veredas” e as três obras que compõem “Corpo de Baile”: “Manuelzão e Miguilim”, “No Urubuquaquá, no Pinhém” e “Noites do Sertão”. Terminei a última história de “Noites do Sertão” na noite do sábado, já em estado de transe por toda a indescritível paulada cerebral todo aquele sertão me deu em suas 1.462 páginas.

Esse caminho de Rosa – o literário, não o físico – foi do tipo que precisa ser sorvido por algum tempo, que fica preso no nosso sistema sinpapsando metáforas e estalando conclusões sobre a vida, o mundo, o tudo.

Agora, é como se Riobaldo, Diadorim, Hermógenes, Miguilim/ Miguel, Dito, Manuelzão, Cara-de-Bronze, Grivo, Pedro Osório, Lélio, Dona Rosalina, Maria da Glória, Maria Behú e Dona Lalinha, Iô Liodoro, Nhô Gaspar e todos os loucos, as leis, as regras e as decisões do sertão estivessem já prontos para partir comigo.

São realmente poucas as provas que nos permitem entender tanto de nós mesmos quanto essa.

Que venha o sertão!

sertao-mapa1

 

 

 

 

Ah, as Olimpíadas!…

Teve outra coisa curiosa que aconteceu na semana passada.

Sob efeito da gripe, cortei meu longuinho do sábado de 20 para 10K. Esta contente com isso, satisfeito e, ainda que cansado, me sentindo cada vez mais preparado para o Caminhos de Rosa.

Até que as circunstâncias me deixaram sozinho em casa, sem mulher e filha, e com a TV ligada na prova de ciclismo de estrada. Sob um sol belíssimo, os ciclistas cortaram Copacabana, Vista Chinesa, Jardim Botânico, Ipanema…

Endurance puro, com direito a quedas e a um final sensacional com ultrapassagens nos últimos quilômetros, fazendo o dia lindo da cidade maravilhosa ficar ainda mais incrível.

O mais difícil? Controlar o impulso de sair para suar depois disso.

Coloquei de volta a roupa e saí para mais 10km. Fiz o pace mais rápido dos últimos 5 meses sem sequer sentir.

Olimpíada é sensacional!

t9a5IHL1

 

 

 

Mais um filme sensacional sobre os Unogwaja

Não me canso de ver filmes e babar na história dos Unogwajas – alguns herois, incluindo os amigos Rodrigo João e Nato Amaral, que cruzaram a África do Sul de oeste a leste em 10 dias para depois largar na Comrades no décimo primeiro com dois objetivos: arrecadar dinheiro para caridade e, claro, ganhar uma experiência inesquecível. 

Acompanho a trajetória deles desde 2014, quando inclusive tive o prazer de, por pura coincidência, testemunhar a chegada do grupo em Pietermaritzburg na véspera da Comrades. 

Bom… Na semana passada eles lançaram um novo filminho com a história do grupo e do que tem conseguido. 

Ei-lo abaixo:

Vamo simbora pra Comrades

Um dos (grandes) amigos que fiz na Comrades, o Cracrá, acabou se transformando em cineasta e, já faz algum tempo, transforma suas experiências nas ultras em vídeos.

Este vídeo aqui, abaixo, tem ainda um “algo a mais”: feito na última Comrades, que eu não participei, acabou gerando uma mescla de saudade com ansiedade pela próxima.

Vale ver. E, para mim, rever. E reviver.

Corrida de reconhecimento

No último domingo saí para uma corrida de reconhecimento no entorno da minha nova casa, bem no meio dos bairros de Perdizes, Pompeia e Barra Funda. O dia não poderia ter sido melhor: final de tarde de outono, céu cintilantemente azul, frio suave soprando o suor para fora do corpo com a gentileza de um primeiro amor.

Não era a primeira vez que corria por lá, claro – já rodei essa cidade de cima a baixo incontáveis vezes. Mas a sensação de pertencimento muda tudo: pela primeira vez eu estava me integrando, e não apenas visitando, o bairro. E, assim, com um qualquer coisa de soberba e orgulho, saí cruzando trilhos de trens, contrastes entre o novo e o velho, espaços boêmios, corporativos, residenciais. 

Rodei no parque do Jardim das Perdizes, beirei a ex-barra do Rio Tietê, peguei o Memorial da América Latina de Surpresa. No meu caminho, muitos fantasmas – desde os meus, pessoais, que me trouxeram até aqui, até os locais como os imigrantes italianos que ergueram a metrópole industrial. 

Passei pelas Indústrias Matarazzo, cruzei com operários cansados, vi o Prefeito Antônio Prado passar em revista à primeira linha de trem da cidade, ouvi sinos, apitos, burburinhos e barulhos de uma cidade cujo passado foi inteiramente feito de caça ao futuro. Neste futuro de então vi indústrias morrendo e sendo tomadas por prédios altos, vi os trens conhecerem os metrôs e os macacões sujos serem substituídos por ternos de auditores da Price. Tudo misturado. 

No meio dos fantasmas paulistanos, nascidos ou não na cidade, subi até o centro pelo Minhocão. Tomei a São João e cruzei a Ipiranga, deixando a boemia de um passado que não conheci para trás. Subi até o imponderável Edifício Martinelli, então marco do luxo e hoje lar de mendigos e odores indescritíveis. Saí seguindo até a Praça Roosevelt, depois Augusta, depois Paulista. 

Depois voltei. Cortei o Pacaembu, passando perto do estádio que urrava gritos de gol e fazia o chão tremer até chegar à Sumaré. Já com o sol nas suas últimas luzes, fiz a avenida inteira pela ciclovia, curcundei o Allianz Parque e entre novamente no meu novo bairro – novo tanto para mim quanto para a própria cidade, que só passou a reconhecê-lo oficialmemente há poucos meses. 

A volta de reconhecimento durou 22km quase exatos. 
Quando entrei no prédio era outro: estava diferente, mudado, como ficamos quando testemunhamos aqueles exatos momentos em que percebemos o início de um novo capítulo. 

De domingo em diante, a vida seria outra.