Checkpoint: Back2backs e a busca pela seriedade na fase final do treino para o Cruce

Logo depois que postei a desistência de correr ontem, mudei de ideia e fui para a rua.

Saí no final da tarde embalado pela planilha que, claro, mostrava que o Cruce estava logo ali na esquina. 

Para ser bem sincero, meu treinamento para o Cruce está bem desleixado: tenho mantido um volume médio razoável de rodagem e buscado inserir o máximo possível de subidas, claro… Mas parei por aí.

Nem tenho ideia de quando deveria chegar no pico; tapering é algo que verei em cima da hora; e uma mescla de treinos de qualidade com volumetria é ficção científica. Estou apenas saindo para correr, mantendo um pace quase homogêneo mesmo sabendo que isso está longe de ser ideal e mal olhando para a programação que tracei há meses.

Isso sem contar com o inesperado apoio que darei à Zilma na BR como pacer, que acabarei usando como longão máximo daqui a menos de duas semanas. Quanto planejo correr? Algo como 50 a 60k, mais ou menos. “Mais ou menos”, aliás, sendo o conceito que melhor descreve todo o meu planejamento atual.

Já não há mais muito tempo para mudar isso e acrescentar estrutura no treinamento: o Cruce será em menos de dois meses. Mas dá para tentar, que foi o que acabei fazendo nesse final de semana.

Para mim, a principal diferença do Cruce para outras provas às quais estou habituado é que ela se dará em estágios. Serão 40km no primeiro dia, 30 no segundo e 30 no terceiro, todos somando altimetrias pra lá de tensas. 

Com o medo de parecer arrogante, não é o volume que me assusta: já tenho experiência o suficiente – ou pelo menos espero ter – para saber fazer a mente empurrar o corpo. O que preciso trabalhar é o inesperado de largar por dois dos três dias com as pernas mastigadas, castigadas, esmigalhadas. 

Não serei também injusto comigo mesmo: tenho feito back2backs com mais frequência, educando o corpo a correr cansado. Todo o final de ano em Niterói, afinal, foi recheado de corridas morro acima e morro abaixo, emendadas umas nas outras e com o bônus de um calor sobrehumano. 

Ainda assim, não seria agora a hora de parar: esse final de semana acabou repetindo a fórmula de pouco tempo de descanso entre os treinos. Saí para 25K no final da tarde do sábado, emendando com mais 17 na manhã do domingo. Era o mínimo que precisava fazer para fugir do fantasma da preguiça.

Estou agora como deveria estar: com as pernas mastigadas, doloridas, exaustas – mas “satisfeito”. Essa seriedade a mais no treino para o Cruce já estava se fazendo gritantemente necessária.

Só espero que dê tempo para que ela surta o efeito necessário e me garanta o que estou buscando: uma experiência esperacular.

   
 

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s