Semana de pico, longão 3: tanque zerado!

Hoje não madruguei: estava já tão cansado de uma semana absolutamente abarrotada de trabalho e com treinos às 5 que decidi sair apenas às 8. Foi bom: deu para aproveitar um pouco as horas extras de sono e sair um pouco mais inteiro do que estava na noite anterior.

Sol a pino, tempo tão seco quanto no Saara e um prospecto de passar 5 horas na rua: o que mais um corredor pode desejar? :-)

E fui, assim, até a USP, fazendo as 4 voltas planejadas, acrescentando uma na trilha logo antes da subida do Matão e voltando para casa. No caminho deu para sentir o efeito do tempo seco: acabei com toda a água da mochila de hidratação e tive que comprar duas garrafinhas extras, aumentando o consumo para muito além do meu normal. Pelo corpo inteiro, a evaporação quase instantânea do suor deixou uma camada de sal pelas alças da mochila, pela camisa e pelo rosto.

Lá pelo quilômetro 36, uma dor de cabeça mais intensa começou a bater e a forçar algumas pausas para caminhada.

Esse momento, quando o corpo começa a implorar por clemência, é o mais chave em todo treinamento para ultra. É quando deixamos o físico de lado e começamos a exercitar a mente, fazendo-a comandar os passos com uma mescla de pensamentos sobre qualquer coisa, de mantras repetidos incessantemente, de paisagens, de foco.

Há dois segredos envolvidos nessa etapa. O primeiro é nunca, absolutamente nunca, parar. Todo passo dado deve ser em direção ao destino final. O segundo é ter claro que a dor sempre passa rapidamente – mas a frustração de não ter completado o percurso fica por um bom tempo.

Parecem coisas óbvias, mas funcionam bem quando se está somando quilômetros e mais quilômetros sobre pernas que já largaram cansadas dos dias anteriores.

E, com isso, cheguei ao final: foram 5h22 onde completei um total de 46,64km. Não chegou a ser uma relação tempo x distância que me orgulhe, verdade seja dita: mas foi o que o dia pôde me dar dadas todas as circunstâncias.

Agora, em casa, estou moído, sem combustível algum e com dores subindo pelas pernas e costas. Mas, como disse, elas passam.

O importante é que a semana de pico foi devidamente vencida e que, agora, há tempo para que eu me recupere dela e largue inteiro na DUT.

official-fuel-consumption-figures-explained-28468_1

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s