50K perfeito por São Paulo

A maior dificuldade, a meu ver, para treinos focados em ultras, é a inserção dos longões de pico na rotina.

Como nem sempre dá para encaixar provas de montanha na planilha, às vezes é necessário improvisar e gastar o tênis no asfalto da cidade. A questão é: por onde? Ficar dando voltas e mais voltas no mesmo circuito é, na melhor das hipóteses, tão eficiente quanto entediante.

Atravessar os extremos da cidade também é complicado uma vez que a distância entre alguns dos pontos praticamente puxa a preguiça.

O percurso ideal, portanto, tem que ser circular (evitando ao máximo se repetir trechos por muito tempo) e com metas praticamente equidistantes, deixando uma sensação constante de proximidade de linhas de chegada imaginárias.

No último sábado acabei forjando um percurso circular de 50K que considerei perfeito para isso – tanto que, embora tenha chegado obviamente cansado, ainda tinha gás para rodar mais.

O percurso está aí, abaixo, bastando que se clique neste link ou na imagem para acessar mais detalhes.

Screen Shot 2016-07-11 at 11.00.25 AM

Pontos importantes:

  • Saí, claro, de casa. Todo percurso de treino tem que largar de onde moramos, pois isso facilita (e muito) todo o processo.
  • O Google Maps é essencial: basta dizer onde quer ir, colocar o fone e ouvir as suas instruções enquanto se corre. Perfeito para pessoas perdidas como eu.
  • Um percurso desses tem ainda pontos em que se pode ampliar o trajeto, caso necessário. Dá para se somar mais uns 10K, por exemplo, passando a Ponte do Morumbi e esticando até o Parque Burle Marx, fazendo algumas voltas nas trilhas de lá e voltando; da mesma maneira, voltas maiores pelo Ibirapuera podem garantir mais alguns quilômetros e uma outra esticada até o Parque da Água Branca pode somar uns 5K.
  • Para o trajeto, marquei os seguintes pontos: Jardim das Perdizes – Parque Villa Lobos – USP – Parque Burle Marx via Av. Morumbi (sendo que cortei antes, na Ponte do Morumbi) – Parque Ibirapuera – Jardim das Perdizes.

Será provavelmente este o trecho que repetirei ao menos para os próximos dois longões que tenho.

 

Anúncios

Checkpoint: Primeira ultra no treino feita

Foi uma semana complicada. Depois de duas com alto volume, depois de duas maratonas e com o bônus de eu ter me mudado de apartamento e viajado por 3 dias a trabalho na sequência, o corpo pedia descanso. 

Recebeu o oposto: na planilha, a semana passada, última do ciclo de 3 pesadas, seria fechada com 50K. 

De todos os dias, consegui levantar disposto apenas na terça, para os 20K na escuridão das primeiras horas da manhã paulistana. Depois disso, a força de vontade necessária para me erguer da cama foi tamanha que tive que inserir mudanças de planos. 

Na quarta acordei decidido a desistir. Desdesisti, como diria Guimarães Rosa, e corri à noite. 

Na quinta me senti seguro o bastante para ignorar o dia. Mudei de ideia e voltei correndo do trabalho para casa, fechando os 15K. 

Mesmo no sábado, que tende a ser um dia sagrado, foi necessária uma hora inteira para convencer o meu corpo de completar as 6 horas planejadas. 

A prova vai se aproximando na medida em que o corpo já começa a se desesperar por descanso. 

Tudo bem: esta semana, pelo menos, é mais leve. Bem mais leve. 

Ela precede um outro ciclo de alto volume – o último antes da prova – que me trará mais 3 pequenas ultras e será fechado na São Paulo City Marathon, se minha memória não me falha. 

Falta pouco.

O treino

Ontem, quando estava olhando a planilha de treino para me entender melhor com ela, percebi que estava testando na pele uma das máximas do Kilian Jornet, de que volume se deve considerar sempre por semana e não por dia. 

Nessa minha caminhada até os 140K, o meu maior longão de todos será de 50K – bem menos, proporcionalmente, do que usei para treinar para os 100K da Indomit, os 90 de Comrades ou qualquer outra prova. Suicídio? 

Não minto que um certo medo da programação já começa a subir à espinha. 

Por outro lado, nunca tive tanto volume concentrado quanto agora. Semanas com mais de 100K são rotina, assim como correr pelo menos uma maratona a cada 7 dias seguida de 10 milhas ou de uma meia. E não nego: estou, hoje, muito mais forte do que no começo do treino, há alguns meses. 

É aqui que entra a questão: confiar no corpo, que está deixando claro que está mais preparado do que jamais esteve, ou na mente, que começa a questionar com algum atraso todo o modelo colocado em prática? 

O problema da escolha entre a confiança e o medo é que ela não é (e nem nunca será) racional, consciente. Será uma dúvida que me acompanhará a cada quilômetro empoeirado do sertão mineiro no dia 19 – e será um desafio a mais a ser enfrentado. 

Ultras para distâncias desconhecidas são assim mesmo: o desafio maior reside justamente nas suas interrogações. 

Sábado na USP

Quem não é de São Paulo provavelmente terá dificuldades em entender o que significa a USP para corredores. 

Sempre fui apaixonado por esta cidade mas, verdade seja dita, encontrar uma natureza pardisíaca para se correr aqui não é tarefa fácil. Sim: há o Pico do Jaraguá e o Cantereira – mas eles são distantes, fora de mão quando se busca um treino mais fácil. 

Há o Ibirapuera, sem dúvidas – mas este acaba sendo cotidiano demais quando se pega o hábito de corrê-lo em 3 dias úteis por semana. Há a cidade em si? Claro: cruzar o centro velho é sempre um prazer para mim – mas às vezes queremos aquele tipo de paz que apenas passos cruzando o verde proporciona. 

É aí que entra a USP. 

Aos sábados, ela costuma ficar tomada de corredores e ciclistas como se fosse uma prova de rua, com todos querendo aproveitar o seu espaço verde, bem cuidado e quase vazio de vida urbana. Seu entorno abre diversos percursos: três grandes e um com uma pequena trilha fechada que nos dá a sensação de ter entrado no meio de uma floresta virgem. 

Em dias chuvosos, então, tudo fica ainda melhor. Além de respirar esporte como em todo sábado, o movimento fica suavemente mais leve e se consegue cruzar seus bosques e ladeiras sentindo na pele a umidade fria da capital paulista, clima responsável, em última instância, para que a cidade tivesse sido fundada aqui. 

Tinha uma maratona para rodar no sábado passado e fui para lá. Além do caminho de e para casa, foram necessárias 3 voltas. Alternei o percurso nelas e, por todo o tempo, corri com o fone desligado apenas escutando a mata. Ali, no meio da cidade, dava para ouvir apenas sons de pássaros, plantas chacoalhando ao vento e eventuais passadas de corredores. 

Dava para sentir o cheiro da umidade, para sentir o clima provocar uma mescla de suor com frio arrepiando os braços.

Dava para estufar o pulmão e deixar nas ruas todo o estresse que cisma em grudar em nossos peitos em tempos difíceis. 

Dava para correr com uma leveza bem próxima à perfeição.

Não vou à USP com tanta frequência assim: na maior parte das vezes acabo cavando percursos inéditos ou cantos mais isolados da cidadade. Tudo depende sempre do estado de espírito no sábado pela manhã. 

É sempre bom, no entanto, saber que ela estará lá, à espera, sempre que precisar. E que imagens como essas abaixo, que instagramei no meio do treino, estarão sempre ao alcance.

 

As opções para a maratona de amanhã

Não, não é uma maratona oficial. Antes fosse.

Na verdade, meu “problema” agora é encaixar no mapa algum roteiro de longão que comporte os 42K previstos para amanhã.

Algumas opções aparecem, com a primeira colocada sendo uma ida e volta até o Horto. Mas há ainda uma rota que costumo fazer até o Burle Marx, lá no Morumbi, com o incômodo de demandar algumas voltas a mais para encher o balde de quilômetros.

Tem também a USP com Parque Villa-Lobos ou a Barra Funda com o Parque Villa-Lobos, ambos com algumas voltas a mais pela densidade paulistana.

Pico do Jaraguá? Poderia chegar lá de UBER, fazer duas vezes o cume e voltar correndo para casa. O problema aqui é que terei que começar mais tarde que o planejado, pois o parque só abre às 7.

Eis a maior dificuldade em treinar para provas realmente longas: achar percursos para os treinões do sábado.

Bom mesmo seria achar e encaixar alguma prova real no calendário…

40448_miscellaneous_empty_roads_empty_road

Até o horto por novos caminhos

Esses últimos dias foram meio virtualmente ausentes. 

Virtualmente: foi só aqui, no blog, que sumi. E há uma desculpa para isso: com todas essas mudanças recentes no país, foi como se o ano pegasse no tranco e muitos dos projetos que estavam com freio de mão puxados subitamente se acelerassem. 

Com isso, claro, mergulhei feito um louco no trabalho – mas mantendo os planos de treino. Durante a semana, acabei totalmente recuperado e encaixei tudo o que queria. 

Hoje, sábado, escolhi uma rota diferente e fui correndo daqui até o Horto, dando um loop naquele que é um dos parques mais lindos de Sampa, na beira da Serra da Cantareira, e voltando.

Caminhos novos são sempre motivadores: abrem vistas inesperadas, revelam cenas diferentes e expõem uma cidade absolutamente diferente da que estamos acostumados. O caminho até o Horto teve disso, principalmente depois que cruzei o Tietê e me vi percorrendo a Braz Leme por um canteiro central que mais parecia um bosque.

De lá, entre curvas e cotovelos, acabei entrando no parque. Amplo, verdíssimo, com ares de mata virgem e trilhinhas perfeitas. 

Pausa para inevitáveis fotos. 

Pausa para respirar a Serra da Cantareira.

Pausa para repensar a semana.

Pausa para sentir aquela energia de missão cumprida, mesmo antes de voltar para casa, já com o Caminhos de Rosa em mente.

Aumentando os longões na companhia de nobres espíritos

Em algum momento, afinal, chegaria o dia em que o volume de treino subiria para o compatível com a meta de 140K.

Bom… chegou. E, enquanto eu nutria algum receio quanto a treinos superiores a 4 horas, acabei esquecendo de como esse tempo todo sozinho com os passos faz bem.

E como fez. Primeiro, pela companhia: enquanto seguia rumo à USP e circundava seu percurso, os últimos capítulos do audiolivro Um Conto de Duas Cidades, de Dickens, me mantinham ocupado entre a tensão da Consiergerie e a exclamação da guilhotina revolucionária. 

Ele acabou, no entanto, antes da corrida. 

Fiquei um tempo sorvendo o final enquanto cruzava a ponte até o meu segundo destino, o Parque Villa-Lobos. A São Paulo daquelas bandas é outra cidade: arborizada, esportizada, despoluída nos mais diversos aspectos. Mas, entre passadas e pequenas rajadas de vento que pareciam acordar as folhas, senti vontade de alguma nova história. 

Histórias viciam; o tempo proporcionado pelos longos treinamentos de ultra são a agulha perfeita.

Parei e olhei o iPhone: havia um audiolivro baixado e ainda intacto, agoniado para começar a soprar suas palavras ouvido adentro. Era a hora perfeita.

Meia dúzia de cliques depois e estava saindo do parque e subindo a Cerro Corá ouvindo o Grande Gatsby. Outro tempo, outro continente, outra dimensão – mas o mesmo efeito de me surrupiar o pensamento para muito além de qualquer mero percurso.

E assim – com apenas uma ou outra parada para foto de paisagens urbanamente exuberantes, fiz meu caminho pela Heitor Penteado, Paulista, descendo a Brigadeiro, cruzando a Lorena e subindo de volta a Bela Cintra.

O relógio exibia 10:30 da manhã quando terminei os quase 40km rodados. Estava levemente cansado, claro – mas ainda imerso nos universos da Paris revolucionária e Nova York do seu primeiro surto desenvolvimentista. 

Era hora de pausar as histórias.

De respirar.

De olhar em volta.

De começar o dia.

O sol

Correr sob o sol é perfeito. Nesse momento, enquanto treino para 140km em pleno sertão do Rosa, mais ainda: fora o gosto que já tenho por homenagear esse Deus amarelo, possivelmente incutido no meu DNA baiano, a experiência certamente é bem vinda. 

A cidade já amanheceu um forno. Às 8, quando saí, São Paulo parecia um Rio de Janeiro sem praia, um Saara com prédios. O céu estava com um azul meio opaco, forte, que dava a sensação de estarmos cozinhando sob uma redoma. Nem vento aparecia. 

O caminho? Parques Alfredo Volpi e Burle Marx, incluindo portanto todo um sobe-desce pelo Butantã e Morumbi. Os parques foram um alento, aliás: entre suas pequenas trilhas e sob a mata fechada, uma umidade inexistente no céu descoberto parecia me transportar para outra cidade. Abafada, pesada, mas com sombra e uma umidade daquelas densas, pesadas como a consciência dos errados. 

Mas seus bosques eram pequenos – 1 ou 2 quilômetros, no máximo, em cada parque. O restante do caminho era a céu aberto, feito de céu claro e deixando um rastro de suor por onde eu passava. Houve uma hora que cheguei a achar me ridículo por gostar de um clima tão opressor quanto aquele – mas o que se há de fazer contra os jeitos do coração? 

A desconcentração, aliás, foi tamanha, que acabei me perdendo no caminho de volta, já do outro lado do Rio Pinheiros. Me perdi por 5km – o suficiente para me tirar do centro e fazer o corpo protestar veementemente contra essa falta de consideração. 

Parei no primeiro boteco que vi, tomei uma Coca para acalmar as pernas e recobrar as energias, e segui em frente. 

Acabei fazendo algo como 35km em 4 horas – bem mais que o planejado. 

Cheguei destroçado, cansado, com uma leve dor de cabeça pela desidratação, mas feliz. 

É possível mesmo alguém aguardar com ansiedade o sol do sertão? 

    

  

Ainda bem.

Amanhã é dia de longão.

Dia para trocar o cansaço de lugar, da cabeça para as pernas.

Dia de suar uma semana inteira de adrenalina corporativa.

Dia de ficar horas a fio imerso no mais absoluto silêncio, interrompido apenas pelos sons dos passos contra a terra.

Dia de gastar todo o restante de bateria que resta no corpo pelo paradoxal propósito de recarregá-lo.

Dia de trocar prédios, correrias e elevadores pela imagem abaixo.

Ainda bem.

  

Checkpoint: Pico 1

Em tese, essa era a minha semana de pico do treinamento para o Cruce. E, em tese, não fiz feio. 

Transformei os 5 treinos em 4, comprimindo dois deles em um, e gerando duas sessões de back to back perfeitas. 

Na terça e na quarta, fiz um treino de 15 e outro de 20; no sábado e domingo, um de 30 e outro de 20. Alternei percursos, cheguei na boca dos mil metros de ganho altimétrico e, melhor, fechei inteiro, intacto, bem. 

O total acabou sendo de 85km cravados, número que costuma ser abaixo do que faço no preparo para ultras. Mas…. bom… Considerando que beirei os 100 no Rio há poucas semanas e que o formato dessa fase de treino foi bem mais “adequado” ao desafio, tudo está bem. 

E por que “pico 1”? 

Por conta da BR135, claro. Ela já será na semana que vem: viajo na quarta cedo e largo com a equipe na quinta. Nossa meta: fechar os 217km em até 40 horas. Do total, pretendo rodar algo entre 50 e 60km – o que caracterizará um outro longão back to back, claro. 

Só que, para a equipe, não será exatamente um treino – claro. Será uma prova real, concreta, onde meu papel de pacer acaba trazendo toda uma gama de responsabilidades diferentes. Daqui até lá, então, descanso puro. Nada de treino amanhã ou terça. Quarta? Talvez um trotinho leve para aquecer. 

E carga total na quinta e sexta. Que venha essa nova experiência.