Sofrendo com a mochila de hidratação

Sábado, dia de voltar à USP.

Desta vez, no entanto, o estilo seria outro: nada de alternar caminhada com corrida – essa era a estratégia de Comrades – e nada de ir apenas com uma garrafinha de água na mão.

Hoje, em um longão de pouco mais de 22K, precisaria acelerar o pace e encaixar algo na casa dos 5’30 a 5’40 como média, incluindo um tiro forte na Subida do Matão.

E mais: levando comigo uma mochila de hidratação que, nessas próximas semanas, deve se tornar minha melhor amiga.

O começo da amizade, no entanto, não foi dos melhores. Sendo direto: odiei cada segundo correndo com a mochila que, mesmo apertada contra o corpo, cismava em balançar e se esfregar nos meus ombros causando uma dor que só piorava.

Agora, escrevendo pós corrida, estou queimado nas costas como se tivesse passado horas sob o sol do Nordeste.

Concentração? Quase impossível. Consegui correr bem no começo e dar o tal tiro na subida – mas, depois disso, a dor era tamanha que por pouco não joguei a mochila fora e peguei um taxi de volta para casa.

Ok…. isso é péssimo. Como vou resistir a uma ultra de montanha, onde mochilas são itens obrigatórios, se quase tive um treco correndo míseros 22k com uma??

Alternativas que pensei:

a) Usar camisas com golas mais longas, estilo tartaruga, fazendo o contato das alças com a pele impossível

b) Me acostumar, queimando um pouco mais até fortalecer o couro

c) Comprar outra mochila

Para o próximo sábado tentarei a alternativa “a” – afinal, a “b” soa dolorosa demais e a “c” cara demais.

Hora também de mergulhar na Web atrás de dicas de outros corredores, o que sempre me ajudou no passado.

Enquanto isso, é hora de passar uns 3 ou 4 galões de hidratante nas costas e torcer para que a dor passe logo!

20140614-084219-31339788.jpg

Anúncios

13 comentários sobre “Sofrendo com a mochila de hidratação

  1. Experimente retirar o ar do reservatório de água, ela vai balançar menos durante a corrida… a mochila estando mais pesada, balança menos também por incrível que pareça. Eu uso mochila da North Face e já encarei ultras de 84k sem incômodo algum. Leva tempo mas a gente se acostuma… boa sorte!

  2. Eu encarei treinos de 20epoucosk com a minha Quechuazinha e não tive problema algum desde a primeira vez. Nada de chacoalhar, nada de queimar, zero incomodo. Chego a esquecer dela ali nas costas. Aporta bem, respira bem, não tem pontos de contato com a pele… mas eu não uso regatas, uso camisetas normais de manga curta para running. A dica de tirar o ar é muito boa, se um dia a minha balançar eu vou testar isso. Abração

      • Usei bastante tempo uma menor, mas maior, rss. É que a outra era uma em um tecido leve, mas que era bastante expansivo, com capacidade de até 12 litros. Nunca tive problema.

        Há pouco mais de 3 meses recebi a Raid Trail 10L Quechua para testar* e sinceramente, estou adorando. Já testei uma Deuter e uma Salomon, ambas menores, e estou adorando esta Quechua de 10L. veja aqui: http://endorfinese.com.br/avaliacao-mochila-de-hidratacao-raid-trail-10l-quechua/

      • Ahh… mas vale lembrar que fiz testes com saídas de pouco mais de 20km. Dependendo de quanto um ultra vá precisar levar de comida e água, além dos obrigatórios, pode ser preciso um modelo maior :)

      • É – tenho o Indomit Bombinhas, de 42k (agosto) e a Douro Ultra Trail, de 80 (setembro). Mas você é a quarta pessoa que me fala dessa de 12L da Quéchua. Pelos reviews que li, ela é bem expansível e funciona bem em ultras.

        Vou fazer mais uns testes com a Salomon (que, afinal, custaram os olhos) e, se os problemas persistirem, vou pra essa. Mais uma vez, obrigado Josa!

  3. Os primeiros treinos são estranhos mesmo, até porque a mochila mexe com a mecânica de corrida. Passe vaselina na região dos ombros. E faça muito fortalecimento.D próxima vez será menos pior :)

  4. Eu tive uma Quechua mas acabei trocando por uma North Face e não me arrependi… ela machucava meu pescoço. Na dúvida procure experimentar os modelos q vc tem em mente, converse com corredores de trilha e não se assuste, porque uma mochila é como um tênis novo, ela também precisa de uns kms pra amaciar e se adequar ao corpo. Experimente correr 5k, 10k com a mochila no começo, pode ser na cidade mesmo, depois você aumenta a rodagem com ela. você Vai estrear na Indomit?
    Show viu… o Juan Assef sabe como organizar uma corrida como ninguém. Abraçoss e boa sorte

    • Eu tenho uma Kalenji velha que funciona relativamente bem em distâncias curtas, mas com o tempo acaba machucando os peitos. Como ela é pequena demais, não serve pra DUT e acho que vou experimentar a Quechua (que pelo menos é mais baratinha).

      Vou estrear numa corrida lá perto de Campinas em 06/07, de 27K. Depois é que vou pra Indomit e, depois, pra DUT.

  5. Tenho uma Ultimate Direction, modelo Scott Jureck. Ela é uma camiseta mochila. Indico muito, faço longos de hiras e nunca tive problemas, provas de Ultra. Tenho visto muitas por ai. Agora isso vsi de costume tbem. Tente tirar o ar do refil, encher ela um pouco mais. Treine mais q pode se acostumar. Tenho muitos produtos Salomon. São excelentes. Boa sorte amigo, essa transição as vezes é difícil mesmo.

  6. Pingback: Apanhando do Garmin Forerunner 620 | Rumo às Trilhas

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

w

Conectando a %s