Ultra Estrada Real: Vans até a largada

Já começo pedindo desculpas pelo prazo apertado, mas somente agora conseguimos articular as vans que sairão de Ouro Preto, na madrugada do dia 4, até Santa Bárbara. 

Na prática, aliás, estamos trabalhando com dois cenários: um micro-ônibus para 25 pessoas ou uma van para 15. 

Tudo depende da quantidade de pessoas que efetivamente confirmarão, então nosso prazo também está apertado.

Por conta disso, já sendo prático, vamos às infos:
 

– A van custará R$ 50,00 por pessoa. Ela poderá parar em cada uma das cidades do percurso mas, até o momento, a lista de interessados inclui pontos em Ouro Preto, Mariana e Catas Altas. 

 – Em seguida, a van retornará até Ouro Preto 

 – O prazo para pagamento e confirmação é até o final desta próxima terça, 31/03. 

Isso é importantíssimo: quem quiser deve fazer o pagamento até esta data, impreterivelmente. 

 O pagamento deve ser feito pelo site do Caminhos de Rosa, outra corrida organizada pelo André Zumzum, no link http://caminhosderosa.com.br/plus/modulos/conteudo/?tac=van 

É isso! 

Dúvidas, por favor mandem email diretamente para ele e para mim nos emails andrepuc_vet@hotmail.com e emailnacorrida@gmail.com

 Hora de correr para garantir o traslado!!

 

Des_Plaines_River_Trail_Lake_County_Illinois

Publicidade

Ultra Estrada Real: Faltam 10 dias!

Hoje já é quinta.

Faltam, oficialmente, 10 dias para largarmos de lá de Santa Bárbara até Ouro Preto!

E, organizacionalmente falando, ainda temos alguns itens a ver – como postos de apoio, mantimentos e as vans até a largada. Essa fase final está demandando uma atençào mais intensa e por isso mesmo ainda não postei novas atualizações aqui no blog.

Até amanhã, no entanto, espero já ter todas as infos referente às vans e posto por aqui, bem como demais questões.

O importante mesmo é que o dia está chegando!

IMG_6501

Semana com improviso e cautela

Estou cauteloso essa semana.

Não só por ter me excedido no sábado, lá no Rio, mas porque a Ultra Estrada Real está logo ali.

Resultado: qualquer incômodo minimamente mais preocupante e eu já desacelero ou paro. Foi o que fiz na última quarta, quando simplesmente cancelei um treino de uma hora por estar com dores demais nas coxas. Melhoraram.

Ontem saí para 1h40. Mais difíceis no começo, com as articulações tesas, tensas. Mas depois acabei me soltando, fazendo o corpo “fluir” melhor. 

Era o que eu precisava, nem que por puro fator motivacional.

Amanhã meu longão será bem mais curto que a média: devo ficar na casa das 2h. Domingo, mas 1 para fechar.

E assim vamos caminhando para a última semana de treino antes da UER.

Estou curioso para saber se realmente consegui me recuperar do excesso de treinos de intensidade do passado recente.

  

Dieta Low Carb High Fat: Até o momento, tudo indo bem

Ontem fechei a minha primeira semana na dieta de LCHF (low carb, high fat, ou pouco carboidrato e muita gordura). E, apesar de estar ainda em plena fase de transição, já posso arriscar um palpite de que me adaptarei muito bem a ela.

No entanto, a primeira impressão realmente é esquisita. Começar o dia comendo três ovos com duas fatias de bacon e, em seguida, engolir um iogurte integral, é no mínimo diferente de tudo o que estamos habituados a considerar saudável. Mas, aparentemente, comidas light realmente não são sinônimas de saúde.

Sem querer passar horas e horas me aprofundando na LCHF (mesmo porque há pessoas muito mais competentes que eu no assunto), cabe apenas uma explicação rápida. O carboidrato que costumamos consumir em nosso cotidiano acaba sendo absorvido em forma de açúcar em nosso sangue, o que aumenta o nível de glicose. Resultado imediato: o pâncreas produz a insulina, hormônio cuja função primária é justamente armazenar gordura no corpo. Após algumas horas, esse pico de açúcar e insulina desaparece e deixa uma forte sensação de fome, nos fazendo comer mais e iniciando um ciclo vicioso que culmina em ganho de peso. Aliás, sabe aquelas instruções de se alimentar a cada 3 horas? Tem muita relação com esse hábito já arraigado em nosso cotidiano uma vez que uma alimentação com alto teor de carboidrato deixa o organismo em constante estado de fome.

Por muito tempo, a solução proposta pela nutrição para nos manter saudáveis era cortar a gordura ao máximo, usando uma fonte mais…. digamos… “limpa” de carboidratos. Mas o fato básico não muda: carboidratos viram açúcares, açúcares bombam a produção de insulina e insulina armazena gordura no corpo. Daí a necessidade de mudanças mais dramáticas e já pregadas em diversos estudos científicos mundo afora: trocar radicalmente a fonte de energia.

Afinal, o corpo precisa, claro, de alguma fonte de energia – e se essa fonte não vier de carboidratos, de onde ela virá?

Pois é: da gordura.

Essa “troca” de fonte primária de energia externa acaba mudando dramaticamente a maneira do corpo funcionar. Por exemplo: com uma baixa ingestão de carboidrato, a produção de insulina fica mais estável, o que significa que sensações de fome são mais esparsas. Eu, por exemplo, já estou habituado a comer apenas 2 vezes por dia (uma vez a cada 12 horas) – e sem sequer me lembrar da “fome”.

Mas há mais: com menos insulina, há também menos armazenamento de gordura pelo próprio corpo: de vilã, ela passa a virar o nosso combustível perfeito. Resultado: trocar carboidrato por gordura acaba ensinando o corpo a queimá-la de maneira mais eficiente, o que inclusive leva a uma (irônica) perda de peso.

Um outro efeito da LCHF é que pressão sanguínea, glicemia e colesterol todos melhoram. Essa teoria, no entanto, testarei apenas na semana que vem, quando farei uma bateria de exames de sangue.

Durante esse processo (que, repito, foi de uma semana até agora), senti apenas algumas dores de cabeça, descritas em estudos como normais em fase de adaptação.

Mas mesmo elas já passaram e acredito estar já bem engrenado nesse novo estilo de vida.

A troca de alimentação em si, por incrível que pareça, não foi tão difícil. Claro: cortar pães, chocolate e grãos (arroz, macarrão, feijão etc.) deixou uma certa sensação de tristeza na memória alimentar. Mas consumir aquelas coisas deliciosamente gordas, como picanha, salmão, atum etc., sem pensar na quantidade e apenas focando a saciedade, certamente vale a pena.

Vamos ver como funcionam os próximos dias!

lchf3-690x473

Ultra Estrada Real: Inscrições encerradas e contagem regressiva iniciada!

Pois é.

Agora somos, oficialmente, 105 inscritos para fazer a Ultra Estrada Real no sábado anterior à Páscoa, 4 de abril. A lista completa de participantes está aqui e, a partir de agora, começamos a contagem regressiva para a largada!

Boa sorte a todos os que participarão nesse evento que, pessoalmente, considero incrível pelas suas características: marcado 100% via redes sociais e blogs, gratuito, sem nenhum tipo de sofisticação mas que cruzará uma rota histórica, de beleza indescritível e ideal para esse grupo multifacetado de corredores de todos os cantos do Brasil.

Nos vemos às 5:30 da manhã em Santa Bárbara!

IMG_6501

 

 

Ultra Estrada Real: Inscrições até o domingo!

Sim, há manifestação para todo lado de hoje até domingo, o que deve ocupar pauta, noticiários, acirrar ânimos em redes sociais etc. E longe de mim querer que a UER dispute espaço com eventuais mudanças de rumo no país como um todo… Mas é sempre bom lembrar que as inscrições para a Ultra ficam abertas apenas até este domingo, dia 15!

Depois disso, fecharemos a lista e passaremos ao Instituto Estrada Real, que providenciará os certificados, e para a organização dos pontos de apoio.

Ou seja: quer correr em um percurso histórico, lindo, cercado de amigos em um espírito de confraternização e paixão total pelo esporte? Então a hora é essa.

Link de inscrição: https://rumoastrilhas.com/ultraestradareal/formulario-de-inscricao/

Sobre a Ultra: https://rumoastrilhas.com/ultraestradareal/sobre-a-ultra/

Sobre o percurso: https://rumoastrilhas.com/ultraestradareal/o-percurso/

Fotos do percurso: https://rumoastrilhas.com/ultraestradareal/fotos-do-percurso/

Informações importantes: https://rumoastrilhas.com/ultraestradareal/informacoes-importantissimas/

Largada, chegada e pontos no percurso: https://rumoastrilhas.com/ultraestradareal/largada-chegada-e-pontos-no-percurso/

Infos sobre o troféu de lembrança: https://rumoastrilhas.com/2015/03/02/ultra-estrada-real-teremos-um-trofeu-para-os-concluintes/

IMG_6501

 

 

Vivendo no século XVIII

Quando cheguei em casa, subi as escadas até meu andar (por conta da falta de energia) e, antes de dormir, enchi um balde de água para poder tomar banho na volta da corrida do dia seguinte.

Saí cedo, na esperança de que pudesse contar com algumas gotas de água antes que os vizinhos acordassem para tomar os seus banhos.

Foi bom: os primeiros raios de sol estavam escondidos por algumas parcas nuvens e uma brisa súbita parecia querer enganar o verão. Pelo menos pelos primeiros cinco minutos.

Já nas primeiras irregularidades da calçada, causadas por uma árvore que caiu em função das chuvas, o clima esquentou.

As nuvens sumiram e o sol dominou o céu que, de tão azul, parecia artificial. Forte, intenso, inclemente.

Ao chegar no parque voei em direção a um bebedouro: nada. A água saía de maneira tão frágil que beber era impossível. Segui.

Exceto por alguns cruzamentos, mantive um ritmo forte. Ignorei a dor nas costas que, embora melhor, persistia, e uma sensação esquisita na biomecânica como um todo. Me sentia torto, desajustado, desalinhado. Mas bem o suficiente para prosseguir.

Pulei algumas outras árvores caídas, cumprimentei um amigo que voava no sentido oposto e tomei o rumo de casa. A essa altura, sob um sol impiedoso, estava já desidratado. “Pena que não há um riacho próximo”, pensei, crente que havia realmente voltado no tempo até o século XVIII.

Na volta, subi as ladeiras do antigo pântano que hoje abriga o bairro dos Jardins (mas que estava realmente mais parecido com um pântano) e, com alguma esperança de encontrar um chuveiro, entrei endorfinado pela porta de casa. A realidade foi mais frustrante.

O banho foi com levas de balde com água fria, talvez insuficiente para limpar o calor. “Mas pelo menos existiu, graças à precaução da noite anterior”, concluí. Ser precavido é essencial em tempos de escassez de conforto urbano.

Em seguida, me peguei tentando me lembrar onde havia deixado a tinta e a pena de escrever. Afinal, embora São Paulo houvesse decididamente retornado ao século XVIII, estava na hora de fazer um novo post aqui no blog.

2015/01/img_6472.jpg

Ai.

Sinal amarelo aceso.

No domingo passado passei praticamente todo o dia com minha filha montada no ombro. Até aí, nenhuma novidade: faço isso com uma frequência provavelmente maior que deveria.

Só que, desde a segunda, tenho sentido dores constantes na parte inferior esquerda das costas. Não precisa de muita análise para entender a dor: carregar peso nos ombros é uma das principais causas para hérnias.

Na segunda, até os menores movimentos doíam. O dia foi passado às custas de analgésicos.

Na terça, acordei melhor. O dia foi mais tranquilo e saí para o treino à noite. Correr, por incrível que pareça, me fez sentir melhor.

Na quarta pela manhã tinha uma sessão mais puxada, de intervalados. Cumpri todos sem nenhuma dor durante a corrida – mas, depois, ela voltou. Com um pouco mais de intensidade.

Insistindo no erro com boas doses de teimosia, saí ontem para uma sessão de 10 tiros de 3′. Bom… apesar de nada ter chegado perto das dores da segunda, foi a primeira vez que elas apareceram durante a corrida.

Parei antes do final.

Analgésico de novo.

Descanso hoje, sexta.

Em uma análise rápida, imagino que minha postura se perca um pouco na medida em que os treinos cresce de ritmo: a única corrida indolor e que me fez sentir melhor na sequência foi a da terça – a mais longa, aliás, com 1h40 a ritmo moderado.

Já com os intervalados, a dor do dia seguinte foi maior; e, com os tiros mais curtos, nem cheguei a terminar.

Pode ser que essa análise até esteja enviesada dado que a piora pode mesmo ter sido gerada pela insistência na atividade física. Mas ficam, pelo menos, dois alertas: ouvir melhor a dor e prestar mais atenção à postura nos momentos de maior intensidade.

Confesso que estou com sinal amarelo aceso, na esperança de que alguma mágica aconteça e a dor passe (como sempre aconteceu até hoje comigo, aliás).

2015/01/img_6461.jpg

Checkpoint semanal: 80K com explorações pela cidade

Na semana retrasada eu combinei comigo mesmo que me dedicaria mais a treinos de velocidade do que a passar longas horas na rua, o que estava nitidamente comprometendo meu pace. E não pretendo descumprir isso, claro – mas minha planilha para essa semana, ironicamente, estava inteiramente tomada por longões.

Verdade seja dita, terça, quarta e quinta continham intervalados e tempo runs que foram devidamente cumpridos. O da quarta, que tinha dois tempos de 20 e 30 minutos cada em meio a duas horas de corrida, foi especialmente perfeito por mesclar objetivo com prazer.

Na quinta, porrada pura que me exauriu por completo… até o sábado.

Ontem foi dia de desbravar São Paulo e o percurso pelo Jardim Botânico foi inspirador. Devo confessar que essa onda de marcar um ponto relevante diferente da cidade toda semana e inserir o longão em torno dele está mudando a forma com que treino. Sim: a pausas para fotos que decididamente comprometem os meus indicadores; mas, por outro lado, isso traz um ar de exploração inerente a esse esporte que, até então, eu achava impossível de encontrar em percursos urbanos.

Ainda não vi as planilhas da semana que vem mas tenho duas certezas: elas provavelmente serão mais intensas e menos extensas e conterão algum lugar novo, ainda a ser definido, que me aguarda aqui em Sampa.

Até lá, hora de descansar desses 80K que rodei desde a terça – algo que, independentemente de qualquer planilha, estava já com saudades de fazer.

Screen Shot 2014-12-07 at 12.07.28 PM

Ultra Estrada Real: Para quem já se inscreveu

Bom… estamos crescendo em número de inscritos na Ultra Estrada Real, o que obviamente me deixa com um sorriso de orelha a orelha. Essa “prova”, afinal, nasceu como uma simples ideia de ter um percurso bacana para correr por alguma distância interessante. Nunca pensei que tantos amigos fossem se interessar por ela – e esse grupo que está se formando mostra como o espírito de aventura domina todo o esporte.

Bom… tendo dito isso, devo assumir que estou em débito com todos os que preencheram a “inscrição”: não mandei nenhum email ou dei qualquer tipo de retorno.

Explico: ainda temos um longo tempo até abril e estou correndo atrás de algumas coisas que possam facilitar a vida dos corredores e amigos que se juntarão ao grupo.

Na medida em que a data for se aproximando, mandarei mais informações e contatarei cada um dos participantes para que possamos organizar melhor toda a corrida.

Enfim, esse post é mais para manter todos na mesma página e me desculpar pela falta de retorno.

Vamos que vamos: estamos fazendo juntos uma prova que considero modelo, desenhada pelo puro amor a esse esporte e percorrida por uma comunidade de futuros grandes amigos!

UER