Checkpoint: Indo

Na série anterior, acabei não conseguindo fazer três semanas intensas seguidas: fiquei tão cansado depois da primeira que precisei baixar o ritmo inteiro no meio do plano para depois retomar. 

Minha meta nesse ciclo era conseguir – e com o detalhe de ter mais volume programado. 

Estou na segunda semana e, apesar de uma leve baixa em relação à semana passada, dá para considerar que consegui resultados melhores. No total, fiz 107K na emana passada e 100K nesta, ambas com uma maratona em cada sábado. 

Não vou mentir: minha tarde de ontem foi bem dolorida – mas bastou 15K hoje de manhã e fiquei como novo, inteiro, com a musculatura solta. 

Semana que vem é a terceira e última desse ciclo com 5 sessões programadas incluindo uma meia na terça e outra maratona no sábado. Que bons ventos me levem até esta linha de chegada!

Checkpoint atrasado

Como a ultra foi no domingo e ontem, segunda, acabei publicando o meu relato da prova, o checkpoint da semana vai com algum atraso. 

Mas vai “feliz”, para dizer o mínimo. 

Primeiro, porque semana passada teve ultra – e só isso já vale toda uma montanha de sorrisos. 

Segundo, porque corri bem o tempo todo, tranquilo, com uma fluidez totalmente diferente da prova que fiz na Serra do Mar, em janeiro. 

E, terceiro, porque consolidei algumas semanas em plena “estabilidade evolutiva”, crescendo na volumetria de maneira ponderada e constante. 

Essa semana será, claro, mais calma, dando descanso ao corpo. Mas trará um bônus: na quinta irei a Paraty para a FLIP e, lá, com certeza me embrenharei por aquelas trilhas fenomenais da região. Mal posso esperar! 

   

Ultra Estrada Real: Postos de apoio quase completos

Recentemente, o Thiago, da assessoria esportiva mineira Endorfina, topou ajudar no penúltimo ponto de apoio que estava vazio, em Camargos.

Com isso, nossa situação agora é a seguinte (clique nos nomes para ver nos mapas):

  • Catas Altas: Igreja Matriz de N. Senhora da Conceição
    • Postos voluntários até o momento: 1 (organizado por Raoni Araujo e sua digníssima esposa – já há doação de água, isotônico e biscoitos)
    • Distância da largada: 22km
    • Previsão de horário de passagem: Entre 7:00 e 11:00
  • Santa Rita Durão: Igreja Matriz de Nossa Senhora de Nazaré
    • Postos voluntários até o momento: 1 (Milva e Zilma, com água, isotônico, refrigerante, biscoito e paçoquinha)
    • Distância do posto anterior: 18km
    • Previsão de horário de passagem: 9:00 e 14:00
  • Camargos: Marco em frente à Igreja Nossa Senhora da Conceição
    • Postos voluntários até o momento: 1 (Thiago Araujo, da Endorfina Assessoria, com água, isotônico e biscoitos)
    • Distância do posto anterior: 18km
    • Previsão de horário de passagem: 11:00 e 17:00
  • Mariana: Em frente à Rua Bom Jesus, 41 (próximo à Estação Ferroviária e ao Centro de Informações Turísticas)
    • Postos de voluntários até o momento: ZERO (já há doação de água, isotônico e biscoitos)
    • Distância do posto anterior: 18km
    • Previsão de horário de passagem: 13:00 e 20:00
  • Ouro Preto (chegada): Praça Tiradentes.
    • Postos de voluntários até o momento: 1 (Luciana Meirelles Lopes com água, isotônico e biscoitos)
    • Distância do posto anterior: 12km
    • Previsão de horário de chegada: 14:30 e 22:00

Importante: ainda estamos adequando os horários dos postos de apoio às agendas das pessoas. Se algum corredor puder ajudar com o posto de Mariana, perfeito; se voluntários quiserem se juntar e engrossar o caldo nos demais postos, ainda melhor.

No total, devemos negociar um período de 3 horas de apoio nos postos com os voluntários, mas ainda voltaremos a isso no futuro.

Novamente: quem quiser e puder ajudar, por favor mande email para emailnacorrida@gmail.com !

e5f957159de06998e4e093fe9fcef0e3

Postos de apoio para a Ultra Estrada Real

Estamos fazendo um esforço grande aqui, entre os corredores, para colocar gente nos postos de apoio durante o período de corrida. Há, no entanto, um pequeno problema: na medida em que o percurso vai chegando ao final, os tempos previstos para os corredores chegarem em cada posto de apoio é maior – o que dificulta o “gerenciamento” dos locais, por assim dizer.

Exemplificando:

O primeiro posto de apoio, em Catas Altas, fica a apenas 22km de distância da largada. A esposa do Raoni ficará no local entre as 7:00 e as 11:00, cuidando do local.

Na medida em que o tempo passa, os corredores vão naturalmente se distanciando uns dos outros – o que significa que a previsão para a chegada em Ouro Preto, por exemplo, pode variar entre 14:30 e 22:00. Nesse caso, é a Luciana, esposa do David Lopes, que cuidará do local – mas dificilmente ela conseguirá ficar sozinha por tanto tempo.

Isso significa que devemos encurtar os períodos de presença de equipe nos postos de apoio ao longo dos próximos dias, postando-os aqui no blog.

Isso trará, por exemplo, situações como a “abertura” de um posto de apoio de Santa Rita Durão às 11:00 e o “fechamento” às 14:00. E no caso de corredores mais rápidos, que chegarão, por exemplo, às 10?

No caso deles, não haverá posto de apoio, sendo que deverão se abastecer na própria cidade (utilizando o comércio local para isso).

Sabemos que não é o mundo ideal – mas vale sempre lembrar que essa ultra é independente, e não uma prova oficial, sendo que os pontos de apoio ao longo do percurso sempre foram colocados como possíveis, e não certos.

Espero que todos compreendam :-)

Novidades serão postadas em breve!

aidstation

Checkpoint semanal: Acumulando novas ladeiras

Essa semana foi bem representativa do estilo de treinamento que comecei a partir de dezembro: tiros, intervalados e tempo runs entre terça e quinta e longões em trilhas aos finais de semana.

Nessa, especificamente, o ritmo foi duro – muito duro. Os tiros foram insanamente puxados, principalmente considerando que estávamos em plena correria da última semana realmente útil do ano.

Para piorar, os dois primeiros treinos foram feitos em finais de tarde – mas o terceiro, na quinta, cedo pela manhã, o que me deu apenas algumas horas de recuperação.

Sem problemas: tudo melhorou quando fiz meu estilo preferido de corrida: um longão de 4 horas perdido pelo Parque do Carmo, uma das melhores “descobertas” que fiz aqui em São Paulo. Foi um sobe-desce constante, com altimetria sendo conquistada aos goles. Mas, claro, recompensada por vistas incríveis em trilhas tão perfeitas que pareciam improváveis considerando que estávamos em plena zona urbana de Sampa.

O Parque do Carmo foi o ponto alto da semana – uma bela forma de fechar os longões antes de partir para o final do ano, na quarta que vem, em Villa La Angostura (na Argentina). Lá, claro, espero cenários mais exóticos, trilhas mais instigantes e montanhas mais altas para desbravar.

Mas tudo em seu tempo. Por enquanto, ainda há mais alguns dias de trabalho intenso antes de decretar o final de ano.

Screen Shot 2014-12-21 at 4.14.37 PM

Checkpoint: fim de ano à vista

O ano está acabando.

Isso começa a ficar nítido na medida em que semanas são encurtadas e confraternizações começam a aparecer no calendário.

Sim: estamos em novembro ainda. Mas as próprias decorações de Natal alinhadas por qualquer percurso que se escolha deixam claro que 2015 está querendo – e muito – chegar.

Essa semana foi diferente.

Com viagens na segunda, sexta e sábado, consegui apenas espremer 4 corridas. Compensei aumentando a distância – mas os caminhos que escolhi, incluindo uma trilha súbita lá em Joinville e outra urbana, hoje cedo, aqui em Sampa, não privilegiaram pace. Meu treinador provavelmente brigará comigo, mas não me arrependo.

Ironicamente, a semana curta me fez saboreá-la mais e sentir melhor cada passo dado na rua.

Screen Shot 2014-11-23 at 1.40.32 PM

Checkpoint 0: A largada

Depois de uma semana praticamente parado, esta serviu para reaquecer os músculos e fixar na mente novos objetivos. E, de uma coisa ficou clara, foi que o caminho será no mínimo diferente do que o que trilhei rumo à Comrades.

Primeiro, pela existência de um treinador experiente.

Segundo, pelo estilo mais puxado aplicado aos treinos, incluindo tiros, repetições em morros e muitos tempo runs.

E, terceiro, pelo óbvio: trilha é diferente de asfalto.

Nessa semana já fiz as minhas adaptações às planilhas que recebi do Ian, buscando me focar em uma espécie de ponto comum entre o que ele manda e o meu bom senso. Está certo seguir assim? Não sei – mas descobrirei com o tempo. Na sexta, por exemplo, cancelei um treino em morros por estar com algumas dores fruto da semana pesada.

Ontem e hoje, por outro lado, aumentei BASTANTE o que ele tinha prescrito por simples sentimento de falta de quilômetros no corpo.

No total. terminei a primeira semana de treinamento assim:

  • Km rodados: 61,69km
  • Tempo de rodagem: 06:09:13
  • Pace médio: 05’59”
  • Ganho altimétrico acumulado: 650m

Terei, nesta terça, um Skype com o Ian para negociar algumas adaptações na planilha que ele me manda, incluindo principalmente duas: a redução da carga de 6 para 5 dias por semana (mesmo aumentando o volume por dia) e a inserção dos treinos em morro nos dias de longão por uma questão de praticidade (uma vez que poderei fazê-los melhor na USP ou no Pico do Jaraguá).

Ainda não sei o que ele falará sobre isso mas, no meio tempo, segue o planejado do semana. Detalhes podem ser vistos clicando no calendário do Garmin, aqui.

Screen Shot 2014-06-13 at 1.42.03 PM