Dores do crescimento?

Hoje era mais um dia de madrugar e atacar o parque. Levantei praticamente sem despertador, sentei e, mesmo ouvindo o barulho da tempestade que desabava sobre São Paulo, levantei.

Estava pronto para ir – exceto por um detalhe.

Nos primeiros passos senti algumas dores mais fortes nas coxas, panturrilhas e tornozelos. Tudo simétrico, descartando algum tipo de indicativo de lesão. Mas, ainda assim, eram dores que não podiam ser ignoradas.

Essa é a segunda semana em que efetivamente aumentei o tom dos meus treinos, buscando me fixar em zonas mais intensas para ampliar a velocidade média em provas. Preciso disso: há um momento em que ser rápido vira sinônimo de uma recuperação mais ágil e de uma viabilidade maior em participar de corridas mais longas. Quero enfrentar ainda, nem que seja no ano que vem, alguma coisa de 100K e, em algum outro momento, flertar mais seriamente com o marco de 100 milhas.

Hoje, apesar de aguentar relativamente bem os 80 ou 90km em terrenos e altimetrias variadas, ainda não consigo me enxergar dobrando essa distância.

OK, tudo é um processo: preparo é resultado de treino.

Estou treinando.

Apesar das dores, está claro para mim que os avanços nessas últimas semanas tem sido maiores do que a soma dos últimos 3 ou 4 meses.

Desisti das ruas hoje pela manhã, me dei algumas horas a mais de descanso e fui trabalhar.

Ao longo do dia, no entanto, na medida em que o corpo foi se aquecendo, as dores praticamente evaporaram.

Perfeito: no fim do dia parto para uma sessão de 5×6′ no Ibira, possivelmente somando alguma subida mais intensa para somar altimetria às pernas.

Que o corpo continue administrando bem as suas dores de crescimento.

speed_runner_by_teddykickas-d62xr2i

Checkpoint 8: Tapering para o Indomit K42?

Tapering (ou polimento)? Apesar dessa ter sido a semana anterior à Indomit K42, raras vezes tive períodos tão puxados de treino!

Não só pela meia com tempo runs na quarta, logo após uma sessão de tiros na terça e antes de outra de fartleks na quinta – quando, aliás, tive a minha primeira quebra em treino. Mas o próprio longão, com direito a 3 subidas e descidas no Pico do Jaraguá alternando entre estrada e trilha, foi intenso.

Hoje, mesmo depois de um regenerativo bem leve, estou bastante dolorido e sentindo cada milímetro da musculatura. Por um lado, há a natural preocupação com a recuperação antes da prova, no sábado; mas, por outro, há também o fato de que nunca soube lidar bem com esse negócio de tapering, diminuindo volume às vésperas de uma prova para deixar os músculos mais frescos. A bem da verdade, todos os taperings que fiz foram pontuados por dores esquisitas, gripes súbitas e toda uma leva de inconveniências que me deixaram bem pior do que estava mesmo no auge do cansaço.

Assim, correr o Indomit lá em Bombinhas será uma espécie de teste. Pegarei mais leve ao longo da semana – mas bem pouco, apenas para não forçar os limites desnecessariamente. A ideia é encarar a maratona como se fosse um treino normal e ver como me sinto, calibrando melhor o treino pre-prova para a meta final desse processo todo (a Douro Ultra Trail, em setembro).

Tomara que funcione bem!

Em paralelo, apenas uma nota importante (para mim): essa semana passei dos 2 mil metros de altimetria acumulada, uma espécie de marco psicológico para mim e pico de treino até agora! Gráficos abaixo:

Screen Shot 2014-08-10 at 12.17.40 PM