Longões na Disney

Correr pela região da Disney é uma experiência para lá de ruim: as ruas não tem acostamento, os lugares são todos afastados uns dos outros para que se arrisque com segurança (se é que isso existe) e o calor é digno do verão amazônico.

A parte de correr sem acostamento é a pior: mesmo indo pela contramão, os carros e ônibus que passam tiram finos de gelar a espinha. Há, claro, a alternativa de se correr nos resorts, que sempre tem pistas internas bem cuidadas – mas aí o problema é a distância curta. A quase totalidade deles tem, no máximo, 2 ou 3kms “corríveis”, forçando loops atrás de loops para se completar planos como o meu, de 15 a 20km/ dia.

No final do dia de ontem decidi improvisar. 

Fui pela rua mesmo, me espremendo contra árvores e metendo os pés nas gramas altas e cheias de poças, até a região de Downtown Disney. Foram 4km com o pensamento fixo em achar uma nova rota.

Achei – o que não significou muita coisa, diga-se de passagem. Correr por lá foi como correr ao meio dia de domingo no Ibirapuera: era tanta gente, mas tanta gente, que a endorfina acabava se metamorfoseando em doses de estresse. Completei a volta e saí pela rua de novo. 

O tráfego, no entanto, estava tão intenso que decidi cortar o caminho por algum lugar qualquer. Tal foi a minha surpresa quando, de repente, me deparei com uma pista escondida saindo de Downtown Disney e cruzando um campo de golf fenomenal!

Segui, meio receoso de estar invadindo mas seguro de não ter visto nenhuma placa ou portão de alerta. Pelo gps, via apenas que estava na direção certa.

À frente, uma paisagem digna de descanso de tela do Windows: morros verdes meticulosamente cuidados, pontilhados por laguinhos de água negra e buracos com areia branca, tendo ao fundo árvores gigantes emoldurando um por do sol impressionista. 

Há, na vida de qualquer corredor, um punhado de lugares tão belos que nunca saem da mente. Por mais artificial que toda a Disney seja, por menos natureza bruta que ela exiba e por mais cara de “cidade de isopor” que tenha, aquele foi um deles. 

Algumas cenas, creio, acabam sendo perfeitas demais para escaparem às nossas lembranças. Que bom: aquele inesperado campo de golf definitivamente foi uma delas que espero ficar comigo para sempre.

Fiz a minha parte: rodei para cima e para baixo, aproveitando cada centímetro do lugar e sorvendo cada paisagem que se revelava de curva em curva.

Vi o rio que entrava em meu hotel: segui-lo. 

Em um determinado ponto, o campo de golf era interrompido por uma rua normal, já perto do meu destino. Era hora de voltar para casa: entrei nela e segui 1km pela margem até a entrada do hotel vizinho ao meu e interligado a ele por uma pista de corrida. 

Cheguei nos últimos instantes do por do sol, aproveitando uma paisagem tão perfeita quanto a do campo de golf, com rio, barquinhos cruzando de uma ponta a outra e postes de iluminação ao clássico estilo sulista. 

Parei, fechei os olhos por um instante e respirei fundo, puxando com os pulmões todo aquele cenário.

Encerrei ali minha corrida e minha viagem.

No final das contas, os ‘pros’ foram tão maiores que os ‘contras’ que só trouxe boas lembranças desses últimos 15km. 

Ainda assim, serei franco: aos que planejam visitar a Disney, tenham em mente que não é um lugar feito para se correr e que planejar longões pode ser mais complicado do que completar uma ultra! 

   
 

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s