Uma história de desistência e autoconhecimento na Comrades 2015

Quando alguma prova grande termina, é normal vermos a Web recheada de casos de sucesso e de “lendas” formadas pelos quilômetros amontoados. É muito raro, no entanto, lermos relatos de desistências, de abandono de provas e metas. 

Nessa Comrades, um grande amigo meu abandonou a prova no km 65 depois (da insanidade) de chegar em Durban apenas às 17:00 do dia anterior, com 5 horas de fuso na cabeça e todo um cansaço mesclado à ansiedade que fez da sua mera presença na linha de largada algo difícil de se conceber. 

Ele escreveu um relato, que reproduzo abaixo, que acaba narrando uma história de autoconhecimento e humildade – ambos conhecimentos tão (ou até mais) essenciais para corredores de ultra quanto saber comemorar as vitórias. 

Para vencer, preparação e autoconhecimento

Decidi que faria a back-to-back logo após a primeira Comrades, em 2014. Devido a fatores diversos, os treinos não foram tão fortes quanto deveriam, mas persisti, fiz a maratona de Santiago como qualify e, mesmo com a panturrilha estourada, me senti pronto. 

Devido ao trabalho viajei um dia antes para Durban, ou seja, embarquei às 23h da sexta, após uma semana bem puxada na empresa. Cheguei no sábado às 17h, depois de 24h de avião com 2 conexões. Entre jantar e jet lag, consegui descansar umas 6h, pois o frio na barriga me fez perder o sono e às 4 da manhã já não consegui mais dormir.

Às 5:25 estava na baia F ouvindo o hino africano, shosholoza, carruagens de fogo. O galo cantou 3 vezes e o tiro da largada anunciava 87 Km. Como neste ano havia mais corredores que o habitual, os primeiros Km’s foram bem tumultuados, lotados e com alguns trechos em que você era obrigado a caminhar e seguir o ritmo da grande massa.

Após alguns tropeços aqui e acolá, perdi minha água batizada com uma “vitamina” anti-fadiga que havia até treinado para tomar a cada 15km, (e combinado com a minha noiva Cláudia para repor no km 60). Quando percebi fiquei um pouco assustado e chateado, mas não tinha outra opção há não ser “keep running”.

Os primeiros 45km foram de subida, o calor era esperado e, por volta das 10h, já dava para sentir que ele seria forte. No Km 30 comecei a sentir muito meu tornozelo (pela primeira vez na vida). O calor me obrigava a passar em todos os postos e já recorrer à Coca-Cola desde cedo em busca de açúcar. Precisava comer algo, mas só percebi que havia comida no caminho depois da metade da prova. Dores nas costas apareceram em uma intensidade maior do que imaginava ser possível.

Sabia que o momento mais difícil viria entre os 45km e 70km (entre 11 e 14h) e que deveria tentar fixar um pace razoável, lidar com as dores, manter hidratação e me alimentar. Cheguei a beber mais água que deveria – mas o que me pegou forte foi o cansaço mental. Tentei acompanhar dois ônibus (turma que corre com uma meta específica de tempo), mas os perdi nos postos de água com o acúmulo de corredores.

Em vários momentos da prova você vê pessoas de todos os tipos e com situações diferentes da sua. A partir do km 40 já era comum ver pessoas apagadas (ao lado da estrada, em macas, nas vans médicas já lotadas de desistentes). Isso vai minando a sua mente e, ao mesmo tempo, mostra que humildade e preparação em todos os sentidos fazem a diferença.

Consegui encontrar a Cláudia (minha noiva) no Km 58, onde ela me entregou uma nova dose anti-fadiga e fez uma boa massagem nas costas e tornozelo. Mas a parte mental estava fraca: pensava em como desistir, queria desmaiar, queria que o carro do corte me alcançasse, enfim, procurava algo maior do que eu mesmo para me derrubar. Não encontrava e, com isso, as lágrimas vieram umas 3 ou 4 vezes.

Comecei a fazer contas e pensei: “se mantiver um pace de 8, 9 ou 10, será que consigo?” 

Mas eu não conseguia: me perdia nos resultados. Usei o celular e mesmo com a conta feita não conseguia raciocinar se era ou não possível.

Após o km 60 percebi que o anti-fadiga não ia mais funcionar: estava além do meu limite.  Fisicamente o tornozelo me impedia de correr mais de 400m; o excesso de líquido me forçava a tentar vomitar, gerando dores adicionais; a mente ficava mais fraca.

Até que, no km 65, joguei a garrafa de água fora revoltado com a derrota que sofria para mim mesmo. Mãos no joelho, uma longa subida e muitas lágrimas encerraram ali meu sonho da back-to-back, mesmo com várias pessoas de fora gritando para que eu não parasse, entoado frases como “you are a hero, keep moving, well done, don’t stop”. 

Mas não encontrava mais forças.

Meu último pensamento: “estou a ponto de apagar ou me lesionar mais a qualquer momento, eu preciso saber diferenciar a persistência da burrice, sou atleta de fim de semana e não profissional”. Enquanto esperava a van para ser “resgatado”, esses 30min foram de lágrimas e imaginação sobre como seria entrar no corredor da chegada pela segunda vez, com tanta gente incentivando e comemorando. Esse sonho, ao menos por enquanto, foi adiado.

Eu não consegui completar a segunda Comrades. Lidar com isso após a corrida é difícil, mas ao mesmo tempo é motivador para continuar treinando, conhecendo melhor meu corpo e cuidando tanto do físico quanto do psicológico: a vitória vem na preparação. Corrida, afinal, é algo que faz parte de mim e me ajuda em vários momentos da vida.

I love running <3.  


– João de Andrade

  

Anúncios

2 comentários sobre “Uma história de desistência e autoconhecimento na Comrades 2015

  1. Ricardo e João,

    De fato, poucos são os relatos que nos trazem eventuais resenhas de desistências e abandonos. Sem sombra de dúvidas, no quesito autoconhecimento, nosso amigo João Andrade passou por uma experiência sem igual, quem sabe renovadora. Alinhando-me à uma das frases do relato: “o sonho apenas foi adiado”.

    Que o criador, em sua bondade infinita, possa iluminar nossos caminhos e quem sabe, estaremos compartilhando os 89,3 km da Comrades Marathon 2016. Forte abraço e nos vemos no caminho!

    Dionísio Silvestre
    http://correrpurapaixao.blogspot.com.br/

  2. Bela história! Concordo que a diferença entre “perseverança” e “burrice” pode estar nos detalhes… Muitos valorizam a superação a qualquer custo, o que vejo como pura estupidez. É fundamental respeitar o corpo. abs

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s