Correndo para fora dos curcuitos habituais

Rumo a Comrades 2018

Eu (obviamente) gosto dos longões. Aliás, é praticamente impossível algum corredor de ultras não gostar de passar horas e mais horas nas ruas, correndo entre quilômetros de pensamentos.

Só que é também quase impossível achar um corredor de ultras que não curta mudar de paisagens, explorar novos horizontes e voar por trilhas desconhecidas. A questão é: como fazer isso do ponto de vista de rotina?

Sim: eu, pelo menos, faço quase todas as minhas corridas semanais na região do Ibirapuera; aos domingos, fujo para o centro e viro “carro” no Minhocão; e, aos sábados, fico perdido.

Perdido entre a ansiedade de sair para as ruas e o cansaço de repetir percursos idênticos. Fazer 30 ou 40km na USP, principal “hub” de corredores paulistanos aos sábados, significa dar tantas voltas no mesmo lugar que corre-se o risco de cair de tontura. Desenvolvi uma estratégia diferente: passei a correr por lugares diferentes…

Ver o post original 122 mais palavras

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

w

Conectando a %s