Treinamento (espiritual) para o Caminhos de Rosa finalizado

Desde sempre, dividi o treinamento para o Caminhos de Rosa em duas partes.

A primeira, mais óbvia, incluía toda a planilha de 6 meses de treino exaustivo. Foi feita – resta apenas a fase de polimento, um cisco perto do tanto que já suei e me preparei.

A segunda era a espiritual, me impulsionando para dentro do universo de Guimarães Rosa.

Nos últimos 4 meses, portanto, li “Grande Sertão: Veredas” e as três obras que compõem “Corpo de Baile”: “Manuelzão e Miguilim”, “No Urubuquaquá, no Pinhém” e “Noites do Sertão”. Terminei a última história de “Noites do Sertão” na noite do sábado, já em estado de transe por toda a indescritível paulada cerebral todo aquele sertão me deu em suas 1.462 páginas.

Esse caminho de Rosa – o literário, não o físico – foi do tipo que precisa ser sorvido por algum tempo, que fica preso no nosso sistema sinpapsando metáforas e estalando conclusões sobre a vida, o mundo, o tudo.

Agora, é como se Riobaldo, Diadorim, Hermógenes, Miguilim/ Miguel, Dito, Manuelzão, Cara-de-Bronze, Grivo, Pedro Osório, Lélio, Dona Rosalina, Maria da Glória, Maria Behú e Dona Lalinha, Iô Liodoro, Nhô Gaspar e todos os loucos, as leis, as regras e as decisões do sertão estivessem já prontos para partir comigo.

São realmente poucas as provas que nos permitem entender tanto de nós mesmos quanto essa.

Que venha o sertão!

sertao-mapa1

 

 

 

 

O treinamento mental

Dividi meu treinamento para o Caminhos de Rosa em dois grandes blocos: um físico e outro mental.

O físico não tem muito segredo: é planilha tradicional montada com um método prático e que tenho seguido de maneira minuciosa.

O mental é que é uma espécie de novidade para mim. E veja: para esta prova, o Caminhos de Rosa, treino mental não é apenas se preparar para passar horas e mais horas furando o tédio com a persistência. É puxar companhias a partir da poeira que se deita sobre o sertão mineiro onde a prova acontecerá.

Que companhias? Riobaldo, Diadorim, os Hermógenes, Miguilim, Manuelzão, Pedro Orósio, Grivo, Cara-de-Bronze e toda uma leva de jagunços, vaqueiros e buritis criados por Guimarães Rosa em toda a sua obra.

O que acontece é que as histórias do Rosa são de uma densidade tão intensa, tão incrível, que lê-las com a devida atenção tem sido uma ultra à parte.

Neste ponto estou nos dois picos: no do treino físico, já fazendo levas e mais levas de semanas com 100 a 100Ks, e no do mental, já chegando no último dos livros do Rosa que pretendo devorar.

E ambos os treinos, confesso, estão me deixando tanto exausto quanto ansiosíssimo para os 140K.

thumb.php