Seria o excesso de amortecimento?

Liguei o sinal amarelo desde que senti o joelho direito há algumas semanas. Aparentemente não foi nada preocupante: de lá para cá já fiz longões consideráveis e me mantive ativo sem tirar quase nenhum quilômetro do planejado. Só fiz uma coisa: troquei o Merrell Ultra, tênis sem drop mas com um amortecimento de alguns milímetros, pelos Vibram Fivefingers ou Merrel TrailGloves – ambos minimalistas ao extremo.

Hoje saí com o Ultra. Resultado: nova fisgada no joelho em menos de 2km! Não forcei: dei meia volta.

Não costumo colocar a culpa em tênis ou acessórios quaisquer: a “culpa”, por assim dizer, é sempre da biomecânica. Mas talvez… talvez esteja tão habituado ao minimalismo que amortecimentos simplesmente atrapalham, machucam, enganam os pés e o corpo quanto à tactilidade do solo.

Enfim, é uma teoria que será testada no longão de sábado. Sem amortecimento, claro!

  

Primeiras impressões do Sketchers GoBionic Trail

Para quem está acostumado a tênis ultraminimalista de rua, como Vibram FiveFingers ou Merrell Barefoot, calçados de trilha são, na falta de uma palavra melhor, complicados.

Afinal, minimalismo não se define apenas pela falta de drop, mas principalmente pela espessura mínima da sola. No caso dos Vibrams, por exemplo, dá até para sentir as imperfeições das ruas.

Isso não é um problema para o asfalto – mas é para as trilhas, onde pedras e ranhuras naturais do piso podem deixar marcas bem tensas.

Ontem à noite testei o Sketchers GoBionic Trail pela primeira vez. Do ponto de vista de conforto, não tenho do que reclamar. Mesmo considerando que foram apenas 10K, insuficientes para que tênis e pés se entendam de verdade, tudo transcorreu relativamente bem.

O problema foi o solado, mais alto por ser específico para as trilhas. No contato com o asfalto, senti como se estivesse mais alto e correndo sobre almofadas – algo diferente e não exatamente positivo, a meu ver. Não tenho dúvidas de que isso me protegerá melhor, mas ainda levarei algum tempo para me acostumar.

Fora essa sensação de correr sobre a lua, a possibilidade de arrancar parte do interior para deixar o drop zerado é bem prática e ajudou a diminuir a curva de adaptação. O tênis parece resistente, o espaço no cabedal é amplo e o ajuste ao pé é firme mas sem exageros, como no caso da linha Trail Gloves, da Merrell.

Agora é ver como ele se sai no longão de sábado, que terá 4 horas. Se passar no teste, perfeito; se não, aí sim estarei em apuros!

20140724-214011-78011797.jpg

Passos doloridos com o Merrell Trail Gloves

Estava na hora de trocar de tênis: o Merrell Barefoot que usei ao longo do treino e da prova em Comrades estava já se desfazendo, com quase 1,5 mil quilômetros rodados. Aliás, esse é um dos pontos mais positivos de tênis minimalistas: como eles não tem acolchoamento, tendem a durar muito, muito mais do que os “normais”.

Passei para um outro par que havia comprado há algum tempo, o Merrell Trail Gloves. Basicamente, o tipo de solado é o mesmo (Vibram), só que mais grip, e a estrutura é um pouco diferente. E eis que veio o problema.

Veja a foto do solado abaixo: perceba que ele é extremamente cavado na curvatura interna do pé.

merrell-barefoot-trail-glove-review-another-great-zero-drop-running-shoe-option-9

O resultado disso: no longão do sábado passado, ganhei duas bolhas justamente nessa área: uma em cada pé.

Por mais que eu seja um fã da Merrell e do solado Vibram, não dá para imaginar correr uma ultra de 80km com dores chatas como as de bolhas se agravando a cada passo.

Ainda tentarei algumas corridas com eles para ver se crio algum calo que me livre do problema – mas não quero deixar a solução para as vésperas da DUT (ou da Indomit K42, em algumas semanas, que também participarei).

Em algum post antigo, o Jósa, do Endorfine-se, me sugeriu um tênis da Sketchers (o GoBionic Trail, review completo aqui). Procurei, procurei, procurei… mas não achei em lugar nenhum.

Mudei de marca e fui para a linha Minimus, da New Balance. Tem solado Vibram, o que é bom, mas com um grip que considero apenas médio. A parte ruim mesmo é que ele tem um drop de 4mm (e estou acostumado a zero). Mas, na prática, acho difícil que isso realmente atrapalhe.

Vamos ver como ele se comporta nos treinos. Se não funcionar bem, resta torcer para que os pés criem calos nos locais das bolhas para que eu possa voltar ao Merrell que, afinal, está novinho!

Atualização: tanto o Jósa quanto a própria Sketchers me mandaram links para lojas vendendo o GoBionic Trail (no que agradeço imensamente a ambos!). Desisti do New Balance e o comprei agora à noite.

Agora é esperar que ele chegue, arrancar a palmilha para que o drop fique zerado e testar nas trilhas!!