Pela rota dos 7 Lagos

Ontem era para ser um dia light – ao menos em tese.

Mas o problema de estar em um paraíso como os Lagos Andinos é que a tentação de ignorar dores musculares e lógica e simplesmente continuar correndo é maior do que qualquer coisa.

E, assim, já nos primeiros passos da Ruta 40, em um trecho da Rota dos 7 Lagos, me esqueci completamente do tempo e dos planos. De um lado, paredões rochosos revezavam com florestas de pinheiros; de outro, lagos espelhados se estendiam para além da vista.

Uma pequena batalha acontecia no céu, com o sol querendo sair e sendo impedido por nuvens que enviavam uma garoa fina, fria e cortante. Estava frio, aliás – mas nada que atrapalhasse a paisagem.

Onde dava, eu ignorava a estrada e seguia pelas trilhas paralelas; em outros, eu apenas me focava nas laterais. Me estendi 7km além do planejado, fazendo ainda uma entrada pela margem que ainda não conhecia do Rio Correntoso. Excelente ideia: uma água cristalina abria caminho para uma paisagem tão dramática que cheguei a imaginar que estivesse sonhando ou preso dentro de uma tela impressionista.

Não estava – e a realidade fazia tudo ficar ainda mais incrível.

Depois de pouco mais de 2 horas, acabei tomando coragem e voltando ao hotel. O dia já reinava pleno, e todo um roteiro turístico me aguardava.

Tudo bem: rodar pela região dos 7 lagos apenas fez crescer a ansiedade pela corrida do dia seguinte, em novos e inexplorados terrenos.

/home/wpcom/public_html/wp-content/blogs.dir/5b7/69502451/files/2014/12/img_6321.jpg

/home/wpcom/public_html/wp-content/blogs.dir/5b7/69502451/files/2014/12/img_6325.jpg

/home/wpcom/public_html/wp-content/blogs.dir/5b7/69502451/files/2014/12/img_6327.jpg

/home/wpcom/public_html/wp-content/blogs.dir/5b7/69502451/files/2014/12/img_6323.jpg

/home/wpcom/public_html/wp-content/blogs.dir/5b7/69502451/files/2014/12/img_6329.jpg

/home/wpcom/public_html/wp-content/blogs.dir/5b7/69502451/files/2014/12/img_6335.jpg

/home/wpcom/public_html/wp-content/blogs.dir/5b7/69502451/files/2014/12/img_6331.jpg

/home/wpcom/public_html/wp-content/blogs.dir/5b7/69502451/files/2014/12/img_6333.jpg

/home/wpcom/public_html/wp-content/blogs.dir/5b7/69502451/files/2014/12/img_6337.jpg

/home/wpcom/public_html/wp-content/blogs.dir/5b7/69502451/files/2014/12/img_6345.jpg

/home/wpcom/public_html/wp-content/blogs.dir/5b7/69502451/files/2014/12/img_6343.jpg

/home/wpcom/public_html/wp-content/blogs.dir/5b7/69502451/files/2014/12/img_6341.jpg

/home/wpcom/public_html/wp-content/blogs.dir/5b7/69502451/files/2014/12/img_6339.jpg

/home/wpcom/public_html/wp-content/blogs.dir/5b7/69502451/files/2014/12/img_6347.jpg

Checkpoint semanal: Nos Andes!

OK, a semana se encerrou ontem, quando deveria ter marcado o checkpoint. Mas quem pode me culpar? Afinal, estou em uma espécie de Meca para quem curte correr nas montanhas, em plena região andina, cercado por montanhas imponentes, lagos cristalinos e trilhas exuberantes!

Planilha? Essa semana ela foi tão ignorada que nem sei o que estava programado. Minha rotina desde o sábado tem sido acordar às 5, antes do sol nascer, me arrumar com mochila de hidratação, headlamp e poles e sair descobrindo trilhas. Não dá para dizer que estou ganhando velocidade: no domingo, por exemplo, meu pace médio foi de (ridículos) 7’50″/km! Mas, claro, isso incluiu subir por 6km e parar em diversos locais para tirar fotos. Convenhamos: por mais que ganhar velocidade seja importante para qualquer corredor, não sou nenhuma elite e corro para aproveitar o tempo, as paisagens e a solidão como um todo. Quer maneira melhor do que bebendo cada centímetro dessas paisagens?

Dificilmente.

Screen Shot 2014-12-28 at 9.43.03 PM