Que se constranjam os desonestos

Quando cruzei a linha de chegada da Bertioga-Maresias na semana passada, fui surpreendido com uma notícia que me pareceu chocante: um dos primeiros colocados havia, aparentemente, feito parte do percurso de moto, sendo desclassificado in loco. Reforço o aparentemente: alguns dias depois, a organização voltou atrás e decidiu manter a premiação.

Ainda assim, houve toda uma confusão em torno do assunto, um clima de “pre-briga” nas areias de Maresias e, claro, um espanto generalizado. 

Na boa… estamos falando de ultras. Por mais que amemos esse esporte, todos sabemos que ele é nichado, de alto custo e com retorno quase nulo para a elite. Mesmo essa prova, uma das mais tradicionais do Brasil, não tinha nenhuma premiação em dinheiro. O que levaria, então, alguém a trapacear nela?

Depois, no grupo de Whatsapp de Comrades, quando o caso virou assunto, um outro amigo comentou que pegar carona era uma prática comum na Bertioga-Maresias. 

Sabe o que menos consigo entender? Por que alguém em sã consciência se inscreve em uma prova cujo único mote é superação e o único prêmio é o orgulho para, depois, trapacear? Qual o sentido disso??

Falar para amigos que conquistou algo que é quase irrelevante para quem não ama esse esporte? Como é possível que o sentimento de vergonha não aniquile o de orgulho?

Essa semana alguns amigos lançaram uma página no Facebook chamada de Fiscal dos Corredores. No começo, sendo bem sincero, não sabia bem o que achar. Afinal, para mim, um amador, tanto faz quem “rouba” ou não. Quem perde é o ladrão. 

Mas aí me lembrei de Maresias. E se a trapaça tivesse mesmo sido confirmada? O que aconteceria com quem treinou, se organizou e se esguelou para chegar no podium? Seria justo perder o podium de maneira tão incorreta assim? Não, não seria.

É triste que precisemos ter uma página de amadores que fiscalize atletas – e espero que isso não acabe virando linchação sumária de suspeitos inocentes. Mas, se não há outro jeito, se a desonestidade existe até quando não há um “ganho tangível” que a “justifique” (se é que algo pode justificar a desonestidade), então longa vida para os fiscais.

Quer conhecer a página? Acesse no https://www.facebook.com/pages/Fiscal-dos-Corredores/1623055784624957