Pelas paisagens urbanas

Confesso que amo, insanamente, correr pela paisagem urbana de São Paulo.

Faz pouco sentido, sei, para quem curte tanto a paisagem de trilhas, montanhas e natureza de forma geral.

Mas o que é uma grande cidade senão um pedaço exoticamente legítimo da natureza, adaptado pelas mãos de seus protagonistas na cadeia alimentar? E o que é uma paisagem urbana senão o testemunho simultâneo à grandiosidade e à decadência de tantos ideais das mais diversas correntes de pensamento?

No meu cotidiano eu tomo retas por ciclovias, subo escadarias esquisitas, atravesso trilhas de trens e perambulo por zonas tomadas por aquele clima de devastação típico de centros latinoamericanos. Tudo com o contraste de um audiolivro cantando Wilde, Achebe ou Tólstoi ouvidos adentro, transformando toda a experiência de correr em algo ainda mais singular.

No meu cotidiano, vejo coisas assim enquanto corro:


É algo tão fenomenal quanto cruzar cadeias montanhosas nos alpes europeus? Provavelmente não. Mas não moro nos alpes.

E, se tem uma coisa que aprendi, é que sempre faz bem aproveitarmos o que nos é posto à frente pela própria vida.

Sábado tem um outro ultra-longão: mal posso esperar o que essa sempre mutante cidade de São Paulo reservará pelo caminho.

 

 

 

Inspiração pura

Há uma diferença importante entre corridas de trilha e de rua: o volume de conteúdo inspiracional. Não estou falando de blablablas de autoajuda ou coisas do gênero, mas sim de relatos, vídeos, e imagens de cenários tão deslumbrantes que fica impossível não se empolgar.

Afinal, o que brilha mais os olhos: a vista no topo dos Pirineus ou do Minhocão? Mesmo desconsiderando os exageros, a comparação realmente é por aí.

E, de todas as marcas, a Salomon é quem faz o melhor trabalho inspiracional por meio de seu canal de trail no Youtube (acesse aqui).

Separei uma playlist com alguns dos grandes mestres do esporte incluindo depoimentos e cenas que são, para dizer o mínimo, inspiracionais. Veja abaixo: