De volta à vida normal

No caminho até o trabalho, carros zuniram perto demais, buzinas soaram altas, blocos de pessoas cruzaram outros blocos de pessoas em franco desafio às leis da física.

No trabalho, telefones, vozes, tramas internas, pequenas intrigas e tudo mais que caracteriza qualquer vida coporativa.

Estava de volta.

Sem alternativa, me encaixei já nas primeiras horas contribuindo do meu jeito à talvez irremediavelmente fétida (embora também encantadora) vida metropolitana. Trabalhei, disparei ordens em volumes mais altos, discuti, bolei projetos e, com o cansaço ao qual não estava mais habituado, voltei para casa.

No dia seguinte, hoje cedo, acordei direto para o Ibirapuera: precisava correr para arejar as ideias. 

Me deparei com o óbvio: a corrida em nacos mais pacíficos e leves do mundo se dá quase como uma oportunidade de agradecer à natureza pela vida que ela proporciona. Desbrava-se paisagens, afasta-se a pressa, curte-se cada brisa e cada cenário como se fossem milagres.

Aqui, na cidade, corre-se por motivos mais próximos da sobrevivência, do instinto. Não que as cenas em si não sejam belíssimas a seu modo – eu amo cruzar a cidade, mesmo em seus ambientes mais precários. Mas correr em vidas típicas das grandes urbes é mais do que curtir o momento: é um ato de sobrevivência.

  

Publicidade

Eu contra São Paulo

Pernas levemente doloridas, mas alma inteira. Ajusto o Garmin, ligo um podcast e olho para a rua à minha frente.

Uma sessão diferente me aguarda, com 4 “tiros” de 8 minutos. Meio intervalado, meio tempo run.

Rua vazia às 6:30. Hora de voar.

Um, dois, três, quatro e… pausa. Um carro não parou.

Tudo bem: recomeço.

Um, dois, três, quatro… nova pausa. De onde saíram tantos carros a essa hora da manhã??

De recomeço a recomeço, vou da Bela Cintra até a 9 de Julho. Semáforo teimoso e lento, possivelmente ainda dormindo. Espero.

Espero mais. A essa altura, a primeira sessão de 8 minutos já estava inutilizada.

Tudo bem: recupero depois.

Atravesso a avenida, cruzo a Brigadeiro e pronto: novo semáforo travado. Esse durou pouco, pelo menos.

Reacelerei por poucos metros até o cruzamento da República do Líbano, onde uma nova pausa me aguardava para, sadicamente, interromper o segundo tiro.

Tudo bem: pelo menos tinha o parque como destino e, lá dentro, nenhum semáforo.

Exceto, claro, as faixas de bicicletas que pareciam subitamente ter ficado abarrotadas. Me senti paranoicamente sendo perseguido por todas as bikes de São Paulo.

Plano b: deixei a pista de corrida e fui pela trilha.

Consegui um tiro quase perfeito: 6 minutos inteirinhos. Só não fechei os 8 porque a bexiga decidiu que precisava de um banheiro. Claro.

Faltava mais um e decidi prolongar a rota, saindo do parque e dando a volta por fora para aproveitar a solidão daqueles arredores durante as primeiras horas do dia.

Péssima ideia.

Portões surpreendentemente congestionados forçaram caminhadas, kombis de ambulantes descarregando côcos pelo caminho impuseram pausas, carros que nunca passam pela IV Centenário decidiram se perder pela rua.

Quarto tiro comprometido – assim como o humor.

Decisão tomada: hora de acrescentar um quinto tiro.

Já no caminho de casa, semáforos, carros e bicicletas se concentraram para matar qualquer nova tentativa da minha parte de acrescentar qualidade ao treino.

Ignorei o conceito de tiro: era melhor correr até em casa por qualquer que fosse a duração, sem novas pausas programadas.

Era uma prova com obstáculos. Eu contra o trânsito, o trânsito contra mim.

Me senti desviando de carros, pulando calçadas e dando a volta em torno quadras mal acabadas.

Silêncio nos fones: o podcast já havia terminado faz tempo e eu nem havia percebido.

Irrelevante.

Agora era pressão pura, quase um combate teimoso para terminar.

Um, dois, três, quatro. Um, dois, três, quatro. Um, dois, três, quatro.

Veio a ladeira. Longa, ampla, definitiva. Suei, rangi os dentes, fiz cara feia… mas desacelerei, ainda que levemente.

E, no auge do pique físico e mental, terminei.

Exausto mais pelo esforço de brigar contra o trânsito e suas intempéries do que pelo treino em si, que foi quase inútil, infrutífero, perdido.

Há dias em que as cidades, mesmo com todas as suas regras, leis e convenções sociais, parecem mais voluntariosas que qualquer montanha.

(Ou esse gráfico abaixo sequer lembra algo remotamente semelhante a uma sessão de intervalados??)

IMG_5952.PNG