As montanhas e os seus perigos

Soube ontem que o João Marinho, organizador da Douro Ultra Trail, está desaparecido desde a terça da semana passada.

Saiu para correr solo pelas montanhas das Astúrias, no norte da Espanha, e, em meio a neve, ventos e neblina, se fundiu com a paisagem.

Até a hora deste post o paradeiro dele ainda é desconhecido. Sabe-se apenas que o resgate espanhol nutre poucas esperanças de encontrá-lo com vida dado o tempo desde o último contato e as condições da montanha.

Conheci o João quando decidi me inscrever na DUT: era ele quem respondia as dúvidas diretamente e que ajudava nos detalhes de planejamento da minha ida daqui do Brasil até a largada, na cidade de Peso da Régua.

Dirigiu uma prova sem paralelos por um dos visuais mais incríveis que meus olhos já testemunharam – e em um nível de organização como poucas vezes minhas pernas já percorreram. Sua atenção aos detalhes foi admirável – incluindo me reconhecer, pelo sotaque brasileiro, no instante que nos cruzamos lá na chegada.

É difícil – e triste – imaginar que um corredor tão experiente tenha se perdido ou se acidentado justamente em seu habitat natural, a montanha. Mas é também um alerta importante para todos nós que fazemos das trilhas e ruas uma espécie de segunda casa.

A natureza, afinal, ama apenas a ela própria e não costuma ter pena ou piedade de ninguém. A nós, cabe apenas degustá-la com uma alta dose de respeito.

Espero que o João retorne vivo para a sua família e que esse seja um daqueles casos milagrosos de sobrevivência. E que essa lição possa ser dada a todos os corredores que o conhecem sem mais crueldades do destino.

Abaixo, a última foto dele mesmo postada em sua página no Facebook antes de partir para a montanha. Espero que mais dessas possam ser tiradas por ele em breve.

IMG_5904.JPG

A USP de preto e o esporte coletivo

Sempre imaginei que correr fosse um esporte individual, meio solitário. Para falar a verdade, sempre gostei muito disso: passar horas a fio movendo apenas pernas e pupilas – além da mente, claro – é algo quase sublime.

Pensando bem, é difícil encontrar algum ultramaratonista que não se dê bem e curta passar um bom tempo só, perdido entre trilhas e pensamentos.

Mas isso não significa que a corrida, enquanto esporte, seja algo individualista. Descobri isso desde que comecei o outro blog, o Rumo a Comrades, que acabou me trazendo grandes amigos. Houve um inegável clima de camaradagem que durou por todo o treinamento, pela prova e mesmo até hoje, meses depois.

Mas o dia de hoje foi um capítulo à parte. Como muitos sabem, na semana passada um bêbado atropelou algumas pessoas no reduto sagrado de corredores todos os sábados, a USP, e acabou matando o atleta Álvaro Teno.

Imediatamente, corredores de todos os cantos da cidade se juntaram e começaram a organizar uma espécie de protesto/ homenagem pelas ruas da Cidade Universitária – a Black Run. A proposta era simples: fazer o longão de sábado vestido de preto.

Simples, mas impactante.

De camisa preta, fui hoje à USP para o meu longão e, sem saber o que esperar, acabei me deparando com outras muitas centenas de corredores com o mesmo “uniforme”.

O que nasceu como um protesto acabou, ao menos para mim, se transformando em uma prova concreta do quanto a corrida é algo coletivo, fazendo anônimos dos quatro cantos compartilharem pelo menos alguns valores muito, muito importantes.

Que fique registrada essa homenagem ao Álvaro Teno e a esse esporte que consegue unir a solidão ao senso de comunidade de maneira tão espetacular.

IMG_5140.JPG