Pela África

Tenho um inexplicável fascínio pela África. Sempre tive, verdade seja dita – mas ele ficou mais forte depois que passei anos sequenciais indo à África do Sul por conta da minha Lua de Mel, de uma Two Oceans e duas Comrades. 

Com isso, acabei tomando um banho no caldeirão das culturas Xhosa, Zulu, Afrikaner e “europeia” de uma maneira geral; sentindo águas tomadas por tubarão e savanas onde leões e elefantes exalam altivez; vivendo experiências e testemunhando cenários que dificilmente poderiam ser replicados em algum outro continente. 

Quando terminei a segunda Comrades, “vestindo” a back-2-back no peito, fiquei feliz e triste ao mesmo tempo. Por um lado, claro, foi a realização de um sonho; por outro, no entanto, havia terminado as provas que me levariam até a África. Será? 

O próprio continente selvagem se incumbiu de me dar mais esperanças. A Marathon de Sables, no Saara, já se desenha como um sonho cada vez menos distante; e outras ultras no sul brotaram do nada. 

Uma delas é a Richtersveld, quase na fronteira da África do Sul com a Namíbia. Sensacional…

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s