Ultra é mais espírito do que esporte

Na semana passada, vi uma foto de um amigo meu no Facebook comemorando uma travessia aquática.

Dei os meus entusiasmados parabéns e ele comentou comigo que estava treinando para a travessia Mar Grande-Salvador. Me entusiasmei.

Explico melhor: a travessia marítima Salvador-Mar Grande é o que há de mais antigo em minha memória sobre endurance. Trata-se de atravessar 13km da Baía de Todos os Santos, saindo de um ponto da Ilha de Itaparica e chegando em outro na capital baiana.

Quando criança, considerava todos os nadadores como heróis e loucos – ou loucos e heróis, para colocar na ordem correta.

O tempo, no entanto, foi me afastando da prova. Me mudei para São Paulo.

Comecei a correr.

Me apaixonei pelas ruas e trilhas e me entreguei por completo a esse esporte.

Até essa bendita foto no Facebook.

Em um intervalo de segundos, anos de infância apareceram como um susto entusiasmado que, somados à experiência em provas longas, desenharam um gosto de viabilidade que nunca tive antes.

Ainda estou cozinhando esse sonho – mas já o considero como uma das minhas metas futuras, embora tenha mais a ver com ultra do que com maratona.

Mas, do ponto de vista espiritual, há mesmo tanta diferença entre atravessar uma montanha ou uma baía? Em todos os casos, são horas revirando a própria alma e puxando energia do peito para se encontrar, se abraçar, se entender. Muda-se apenas o elemento, a solidez do solo, a escolha dos membros.

Mas, fora isso, é a mesma coisa: uma meta de autosuperação.

Ultra é mais espírito do que esporte.

margrande

 

 

Anúncios

Rob Krar, Grand Canyon, depressão e corrida

No que pensamos enquanto corremos? O turbilhão é tamanho, principalmente em ultras onde a pressão por tempo é menor do que em treinos ou provas de rua, que responder beira o impossível.

Mas, em geral, as passadas trazem consigo mergulhos que vão se aprofundando gradativamente a cada quilômetro, metro, centímetro. De repente, acabamos nos dando conta de que estamos nos redescobrindo de uma maneira quase filosófica, com uma profundidade que chega a assustar.

Redescobertas e viagens ensimesmadas, no entanto, sempre trazem um saldo mais positivo do que negativo. Basta ver essas pequenas gotas de pensamentos do Rob Krar enquanto ele corria as 30 milhas do Rim2Rim2Rim, no Grand Canyon.

depressions – a few moments from 30 miles in the canyon. from Joel Wolpert on Vimeo.

Travailen: veja aqui versão completa do filme por tempo limitado

Há alguns meses, os sul africanos Ryan Sandes e Ryno Griesel se embrenharam em um desafio de proporções épicas: quebrar o recorde da Drakensberg Traverse, uma travessia pelas montanhas que separam o seu país de Lesotho (aquele país minúsculo que parece uma ilha cercada por África do Sul em todos os lados).

O resultado foi um filme com cenas absolutamente magníficas e inspiradoras, feito pela equipe do African Attachment e pela Red Bull Media House.

Acredito que eles disponibilizarão o vídeo para venda em breve – mas, por enquanto, ele está disponível gratuitamente e o coloco abaixo. São 27 minutos de pura inspiração:

brightcove.createExperiences();

http://www.redbull.com/za/en/adventure/stories/1331672300014/travailen-full-version