Segunda com cara de domingo sedentário

São Paulo amanheceu molhada, cinza e com aquela estática paralizante rondando os céus. Amanheceu como um daqueles dias em que o melhor a se fazer é se camuflar sob as cobertas – coisa que desde que comecei a correr nunca mais fiz.

São Paulo, infelizmente, decidiu amanhecer assim em uma segunda-feira. Errou o dia: certamente os planos originais dos Deuses se destinavam ao domingo.

Vivemos, no entanto, com o que as curcunstâncias apresentam: pelo menos o clima de preguiça se materializou no meu dia de descanso das ruas e justamente na semana leve do meu treino.

Se não é um domingo para mim, que seja para o meu corpo, que precisa tão nitidamente de um descanso!

Devia ter me ouvido

Devia ter prestado atenção a mim mesmo quando, no soar do despertador, decidi ignorá-lo e me refugiar nas cobertas.

Sim, fiz exatamente isso ainda que sem nenhum motivo físico aparente. Estava inteiro, intacto e apenas com uma rusga passageira de sono.

Algumas horas depois, no entanro, estava calçando o tênis e projetando o percurso dos 40K do dia.

A preguiça era mais que ela mesma: era um aviso.

Ignorado, decidiu se vingar.

Saí por um percurso novo, até: novidades sempre me empolgam. Margeei a trilha do trem na Barra Funda, tomei um rumo da Lapa e subi até a região do City Lapa. Deixei o Rio Tietê para trás e, cruzando a pseudo-península paulistana, desci até a região do Rio Pinheiros.

Entrei no Parque Villa-Lobos, dei uma volta. Estava ali somando pouco mais de 15K, mas as pernas começavam a protestar ferozmente. 

Tudo, tudo começava a doer. Coxas gritavam. Tronco se desfigurava. Tornozelos se bambeavam.

Diminuí o ritmo – corrijo-me: o ritmo me foi diminuído pelo corpo.

Andei um pouco.

Forcei o pace.

Deixe a ideia dos 40K de lado: fui direto para casa. A casa, no entanto, estava a uns 10K de distância. 

Fui me arrastando, xingando a própria ignorância e temendo a sempre sádica planilha que, inevitavelmente, seria ignorada na semana.

O tempo voava e parava simultaneamente: enquanto os relógios na rua denunciavam que eu estava atrasado, o do pulso mostrava que o vergonhoso ritmo que me dominava era quase tão ágil quanto o de um cágado com sono.

Fechei os olhos por um minuto. Respirei. Segui reto.

E reto fui, ignorando paisagens e pessoas, até chegar na porta do meu prédio. 28km somados – 12 a menos que o planejado.

Amanhã tenho – ou teria – mais 20. Impossível.

A recuperação da semana passada foi menos completa do que eu previa. Prejudicou.

Talvez seja bom aproveitar melhor esta para completar o descanso. Ainda há um longo caminho, afinal, até o Grande Sertão.

Brigando contra os demônios da manhã

O problema com as longas quilometragens em dias úteis – qualquer coisa a partir de 15km – não são as distâncias: são os horários. 

Não discuto que, quando se está atravessando a trilha do Ibirapuera junto com os primeiros raios de sol que parecem pintar de ouro os troncos e a terra ocre, a endorfina parece explodir pelo corpo. Poucas são as sensações tão gratificantes quanto se ver quase que inteiramente só em meio ao cheiro de orvalho, com tempo e silêncio para mergulhar na própria cabeça e sem se preocupar muito com a pressa. A cidade dorme a essa hora. 

A sensação de ser o único acordado é revigorante. 

Não é aí que mora o problema. Este vem antes – poucos minutos antes, quando o despertador começa a gritar no meio do quinto sono. Aí os demônios aparecem: “durma mais”; “deixe para o final do dia”; “talvez as pernas queiram descanso”.

Os demônios começam a discutir: “no final do dia não dá: tem aquela reunião que deve entrar pela noite”; “a previsão é de tempestade torrencial a partir do meio dia”; “hoje você precisa chegar cedo para liberar a babá”. 

A essa altura o sono em si já se foi. A discussão interna, no entanto, está a pleno vapor, movida à preguiça de se levantar e encarar os dias. Às vezes são poucos minutos até um veredito; às vezes, quase meia hora inteira. Até que, em um determinado momento, alguém vence. 

Normalmente, este alguém é a corrida em si: resignado, me levanto, troco de roupa e parto para abrir o primeiro sorriso apenas depois que o GPS é encontrado pelo relógio e que os primeiros metros são digeridos. Nesses momentos eu chego a me questionar o que me levou a pensar em ficar na cama: “que ideia mais sem pé nem cabeça”! 

Esses dias, com sequências de mini-longões no meio da semana, tem sido inteiramente dominados por essas batalhas. Todas sendo vencidas pelas trilhas, ainda bem – mas seria muito, muito bom que alguém inventasse algum remédio contra esses demônios internos intrusivos.

  

Derrotado por uma esquina

Verdade seja dita, já acordei questionando se sairia ou não naquelas ainda escuras 6 horas da manhã. Estava cansado de um dia cheio, com algumas leves mas persistentes dores na musculatura pelo treino puxado de ontem e, sobretudo, com preguiça. Muita preguiça.

Mas aí vieram os planos de corridas futuras, a visão da necessidade de treinamento e até os últimos capítulos do audiobook que ouço durante o percurso. Finalmente, com meia dúzia de palavrões, levantei, me vesti e saí.

O céu ainda estava seco, a rua convidativa e a voz do narrador já ecoava pelos ouvidos, levando a mente para terras distantes. Saí.

Fui seguindo meu caminho tradicional, que deveria ser mais leve hoje, sem muita mudança no humor e me autoelogiando por ter conseguido trocar a cama pela rua. Estava bem, fluindo calmo, quase flutuando pelo asfalto sendo levado pelos dramáticos momentos-chave da história cuspida pelos fones quando, de repente, um semáforo teimoso cismou em ficar vermelho na esquina da 9 de julho. Parei.

Ao parar, a musculatura que estava levemente dolorida reclamou mais.

A preguiça escalou todo o corpo, do tornozelo aos ombros, como se fosse um lodo grudento me prendendo no lugar.

Os olhos pediram para descansar.

O clímax da história se foi, perdendo-se em alguma monotonia desavisada.

O céu começou a lançar raios de chuva fortes, espessos, raivosos.

Olhei para a minha frente: ainda tinha metade do caminho. Voltei.

Fiz o percurso de volta quase que fugindo da chuva, me prendendo ao caminho mais curto, desviando poças e torcendo para que quilômetros virassem metros. Não sei bem o que aconteceu mas, de repente, foi como se um sonho tivesse se transformado em pesadelo, como se fugir para a segurança da minha casa fosse mais importante do que qualquer coisa, racional ou não. A cada passo, as dores pareciam ganhar mais terreno e a chuva ficava mais espessa. A cada passo, temia que a distância me pregasse uma peça e crescesse sem aviso. A cada passo, a preguiça parecia dominar mais o meu corpo e os meus movimentos.

Até que cheguei.

Quase assustado, atravessei o portão da garagem e subi de volta ao apartamento. Estava exausto.

O apartamento, no entanto, estava idêntico: todos ainda dormiam, as luzes ainda estavam apagadas e o único som era o do relógio de ponteiro da cozinha marcando o ritmo como que para deixar claro que o universo estava em sua mais perfeita ordem. Até a chuva lá fora parecia ter dado uma trégua, se transformando em uma levíssima, quase imperceptível, garoa.

Na verdade, a única coisa diferente no cenário inteiro era eu, que ali estava quando deveria estar dando voltas no parque. Desencaixado, me deixei levar pelo restante de dor e cansaço, pelas pálpebras pesadas, pelos suspiros daquela tristeza leve trazida pela desistência, e desabei de volta na rotina que começaria nas próximas horas.

Manhã estranha essa em que uma esquina me derrotou de maneira tão avassaladora, decisiva.

size_810_16_9_semaforo

O barulho das primeiras horas

O plano era acordar quase tão cedo quanto ontem para ter as ruas, novamente, só para mim.

Não deu. Hoje foi daquelas manhãs em que sair da cama é tarefa praticamente impossível. Desde as 5, uma batalha entre o despertador e eu começou a se travar. No começo, foi leve, quase imperceptível; mas quando as pálpebras firmaram posição do lado dele, tudo ficou mais tenso. Desisti às 7, exausto do processo de aguardar que ele soasse para apertar o botão de snooze.

Às 7, no entanto, minha mulher levantou. Era dia dela levar a nossa filha para a escola e, como já havia um certo atraso no ar, tudo precisava ser feito às pressas.

E a pressa, claro, nunca é silenciosa. Passos apressados cruzavam o corredor, interrompidos apenas pelo som de louças se arranjando na mesa. Mais passos e vozes se encontrando no quarto ao lado. Debates breves sobre a roupa e sobre bonecas que minha filha queria levar para a escola. Leite sendo demandado; meias sendo procuradas; frases pedindo mais pressa se esbarrando em uma barreira de preguiça infantil aumentando os sons.

No quarto ao lado, em que eu ainda tentava (ingenuamente) dormir, o ar condicionado decidiu entrar em um modo esquisito de ligar e desligar a cada 5 minutos, adicionando assim barulhos rítmicos que tornavam a retomada do sono ainda mais impossível.

“Devia ter saído para correr”, pensava incessantemente. Pensar, no entanto, nunca foi sinônimo de agir.

De repente, de um minuto para outro, uma série de “tchaus” trouxe consigo o silêncio.

Estava só em casa.

Mas já era 8:30 e o despertador tocou novamente, desta vez me mandando trabalhar.

Levantei, exausto pela intensidade das batalhas e barulhos da manhã, com a cabeça latejando de dor e com muitas saudades do dia de ontem, quando madrugar para correr no parque foi algo tão simples e perfeito.

Quem sabe amanhã? O despertador, afinal, já está programado.

IMG_6490