Vídeo: História completa de Comrades

Para quem ama a rainha das ultras, esse vídeo é um achado.

Sim: os primeiros 1:45 são meio chatos, com uma introdução desnecessária – recomendo que pulem.

E sim: ele é infelizmente todo em inglês, sem legendas.

Se isso não for um problema, recomendo fortemente. Dá para entender quase toda a magia dessa corrida (e digo “quase” porque, para entendê-la por completo, só correndo os 89km que separam Durban de Pietermaritzburg).

Comrades 2015: passagens compradas e reservas feitas!

Pronto.

Agora não tem mais volta.

Primeira parcela devidamente paga, garantindo os vôos e hospedagens na costa leste africana.

Chego em Durban no dia 28 de maio, com 2 dias para me ambientar. De lá, vou (naturalmente) correndo até Pietermaritzburg no dia 31.

Durmo no interior, recuperando as energias de peito estufado com a medalha back-to-back reluzindo.

Volto no dia 1 para Durban, onde passo a noite.

E volto para São Paulo no dia 2 pela manhã.

Cruzar a linha de chegada em qualquer ultra é sempre uma incógnita, por mais que se esteja preparado – mas a linha de largada, pelo menos, está já garantida.

Shosholoza!

Para quem quiser viver (ou reviver) a Comrades 2014…

Comrades está chegando.

Tenho postado alguns vídeos e conteúdos por aqui que, a cada vez que vejo, geram aquela mescla de expectativa com ansiedade e emoção. Quem participou de alguma edição dela sabe exatamente do que estou falando; quem quer participar, por sua vez, já fica com vontade de pular diretamente para o site da prova e confirmar a inscrição.

Em um dos últimos posts, o Eduardo Neves comentou colocando o link para um vídeo-cobertura que ele fez. Curiosamente, apesar de não nos conhecermos, nós dois corremos juntos durante quase todo o percurso – o que significa que ver a filmagem dele é como reviver cada passo que eu mesmo dei no caminho de Pietermaritzburg a Durban.

Compartilhando abaixo:

Por que correr a Comrades?

Se me perguntassem isso, eu provavelmente teria dificuldade em enumerar os tantos motivos para se entregar à Rainha das Ultras. Não foi à toa, aliás, que criei todo um blog só para isso, o Rumo a Comrades, com centenas de posts ao longo do meu treinamento na semana passada.

Esse ano devo ir de novo e já está na hora de começar a aquecer os motores com conteúdo e vídeo, mesmo considerando que ainda tenho uma ultra nesse final de semana e, claro, a Ultra Estrada Real em abril.

Voltando ao cerne da questão, fizeram essa mesma pergunta para Bart Yasso, um dos editores da Runner’s World Americana, que já percorreu todo o mundo em busca de “aventuras para as pernas”, por assim dizer.

Sabe a resposta dele?

Veja no vídeo abaixo: