Corrida de reconhecimento

No último domingo saí para uma corrida de reconhecimento no entorno da minha nova casa, bem no meio dos bairros de Perdizes, Pompeia e Barra Funda. O dia não poderia ter sido melhor: final de tarde de outono, céu cintilantemente azul, frio suave soprando o suor para fora do corpo com a gentileza de um primeiro amor.

Não era a primeira vez que corria por lá, claro – já rodei essa cidade de cima a baixo incontáveis vezes. Mas a sensação de pertencimento muda tudo: pela primeira vez eu estava me integrando, e não apenas visitando, o bairro. E, assim, com um qualquer coisa de soberba e orgulho, saí cruzando trilhos de trens, contrastes entre o novo e o velho, espaços boêmios, corporativos, residenciais. 

Rodei no parque do Jardim das Perdizes, beirei a ex-barra do Rio Tietê, peguei o Memorial da América Latina de Surpresa. No meu caminho, muitos fantasmas – desde os meus, pessoais, que me trouxeram até aqui, até os locais como os imigrantes italianos que ergueram a metrópole industrial. 

Passei pelas Indústrias Matarazzo, cruzei com operários cansados, vi o Prefeito Antônio Prado passar em revista à primeira linha de trem da cidade, ouvi sinos, apitos, burburinhos e barulhos de uma cidade cujo passado foi inteiramente feito de caça ao futuro. Neste futuro de então vi indústrias morrendo e sendo tomadas por prédios altos, vi os trens conhecerem os metrôs e os macacões sujos serem substituídos por ternos de auditores da Price. Tudo misturado. 

No meio dos fantasmas paulistanos, nascidos ou não na cidade, subi até o centro pelo Minhocão. Tomei a São João e cruzei a Ipiranga, deixando a boemia de um passado que não conheci para trás. Subi até o imponderável Edifício Martinelli, então marco do luxo e hoje lar de mendigos e odores indescritíveis. Saí seguindo até a Praça Roosevelt, depois Augusta, depois Paulista. 

Depois voltei. Cortei o Pacaembu, passando perto do estádio que urrava gritos de gol e fazia o chão tremer até chegar à Sumaré. Já com o sol nas suas últimas luzes, fiz a avenida inteira pela ciclovia, curcundei o Allianz Parque e entre novamente no meu novo bairro – novo tanto para mim quanto para a própria cidade, que só passou a reconhecê-lo oficialmemente há poucos meses. 

A volta de reconhecimento durou 22km quase exatos. 
Quando entrei no prédio era outro: estava diferente, mudado, como ficamos quando testemunhamos aqueles exatos momentos em que percebemos o início de um novo capítulo. 

De domingo em diante, a vida seria outra. 

 

Maratona em uma segunda à noite

Mudei os planos. Ao invés de espalhar a quilometragem pela semana por conta da impossibilidade de rodar o longão no sábado, dia em que me mudo, decidi fazer isso ontem.

Assim, saí imediatamente depois do trabalho para a rua, girando pela cidade. Claro: o frio intenso e a escuridão da noite mais longa do ano certamente não ajudaram – mas tudo sempre pode ser encarado como uma aventura a mais.

Saí de casa. Desci a Sumaré. Dei a volta no Allianz Parque. Cruzei os trilhos da Estação de Trem Água Branca. Subi até o Jardim das Perdizes, onde dei outra volta. Saí, cruzei o viaduto e margeei o Memorial da América Latina. Fui até o Parque da Água Branca, onde dei duas voltas. Saí. Voltei até a Sumaré. Subi até a Brasil e, de lá, peguei a Groenlândia. Margeei o Ibirapuera por fora uma vez. Entrei. Dei duas voltas por dentro. Saí. Subi a 9 de Julho até a Paulista. Fui até a Augusta e a desci até a Tietê.

Cruzei. Cheguei.

Melhor: apesar do cansaço que sempre bate com uma maratona, devo dizer que a quantidade que tenho feito está começando a me fazer encará-las como cotidiano. Não só terminei inteiro como rodei em um pace melhor do que tenho feito meus treinos de 15 ou 20K: 5’49″/km.

Quando cheguei em casa, claro, já estava alta noite. Foi o tempo de respirar, tomar um banho e desmaiar, embora a adrenalina tivesse empurrado o sono para depois da meia noite. 

Nesse intervalo de tempo, já deitado e sentindo o tilintar dos músculos rearranjando-se nas pernas, me peguei quase maravilhado com essa quebra de rotina: “Uma maratona rodada em uma noite qualquer de segunda. Deveria fazer coisas assim mais vezes…”

Trilha urbana: Sumaré, Jardim das Perdizes, Parque da Água Branca e Minhocão

Há um pequeno novo parque no centro de São Paulo, ainda com árvores novas e pouco sombreado, que dá o tom do bairro que está surgindo em seu entorno: o Jardim das Perdizes.

2015/01/img_6450.jpg

2015/01/img_6456.jpg

O bairro em si ainda é um embrião: prédios residenciais, torres comerciais, shopping e hotel ainda estão sendo erguidos. Apenas o parque está efetivamente aberto e correr nos seus pouco mais de 1km é como testemunhar o nascimento de um novo pedaço da metrópole justamente em uma de suas áreas mais antigas: o bairro da Barra Funda.

Não dá para fazer um longão em um parque tão pequeno, claro – e por isso o Jardim das Perdizes é apenas o começo do percurso. Ou meio.

Afinal, chegar lá inclui subir até a Dr. Arnaldo, descer até a Sumaré e correr pela faixa do canteiro central – perfeita para o esporte – passando ainda pelo novo Estádio do Palmeiras.

Depois de lá dá para esticar ainda até o Parque da Água Branca, nas proximidades. Esse é, talvez, o mais exótico dos parques paulistanos por ser estabelecido em torno de construções muito bem cuidadas que datam de 1929, quando ele foi inaugurado como centro de exposições e estudos zootécnicos.

2015/01/img_6452-0.jpg

2015/01/img_6453-0.jpg

2015/01/img_6457.jpg

Assim, passa-se por um estábulo (que, hoje, abriga algumas feirinhas gastronômicas), por um museu, por espaços de leituras, por um parquinho de diversões e muito mais. Tudo isso com eventuais galinhas cruzando o percurso como se estivessem em alguma fazenda no interior do estado.

Relembrando: estamos no centro de São Paulo.

O Parque da Água Branca não é gigante – mas é maior, claro, que o Jardim das Perdizes. E um percurso incluindo os dois, ligados ainda pela Sumaré e pelo Minhocão.

Pois é: aos domingos, aproveitar o Minhocão fechado para trânsito para voltar para casa é a opção perfeita.

2015/01/img_6454.jpg

2015/01/img_6455.jpg

Resultado? Em um único percurso consegue-se cruzar uma via fantástica – a Sumaré – ver uma parte da cidade nascer, passar por um parque com ares de fazenda interiorana e terminar subindo o icônico Minhocão.

Nada mal para um domingo qualquer.

Screen Shot 2015-01-11 at 12.25.03 PM