Douro Ultra Trail: missão cumprida!

Oficialmente meu tempo ainda não saiu – mas fiz os 80 duríssimos quilômetros em um pouco mais de 16 horas!

Duríssimos – mas de uma beleza inesquecível.

A começar pelo clima de largada de ultra trail, com pouco mais de uma centena de corredores devidamente equipados com mochilas, iluminação noturna, poles e aquele olhar que só quem está prestes a encarar um dia de pura aventura e desafio porta.

Depois, logo que o sol nasceu nas montanhas do Douro, começou o espetáculo. As primeiras descidas e subidas eram dentro de vinhedos – algo mágico justamente nesta época, quando as colheitas começam e há cachos de uva para todos os lados. Alimento perfeito para trilhas, aliás.

Depois vieram paisagens diferentes, como uma ponte feita pelos antigos romanos que era parte do percurso. Foi como correr pela história, gerando picos de endorfina.

Até aí, tudo foi relativamente leve. Mas veio a subida do Marão, maior montanha do percurso com 1.430 metros de subida. Um dos trechos, de um quilômetro, era tão íngreme e sem apoio que alguns corredores pararam para vomitar e dois se lesionaram ao ponto de terem que abandonar a prova.

O topo, no quilômetro 34, viu mais algumas desistências. Natural dada a dificuldade, agravada pelos quase 30 graus e um sol forte brilhando no céu.

Quem continuou, foi até o fim: correndo de posto de controle a posto de controle. No meu caso, fui embalado por Coca-Cola e biscoitos de maizena servidos neles, mais uvas dos vinhedos e água, reabastecendo a mochila em fontes das pequenas aldeias que pontilhavam o percurso.

Dores vieram e foram. A gripe que apareceu na véspera e que, embora leve, persistia ainda na largada, foi deixada ao longo do percurso.

Amigos foram feitos no caminho. Vistas ficaram presas para sempre na retina.

Difícil esquecer a paisagem do Douro, patrimônio da humanidade pela UNESCO, ou as tantas aldeias antigas da região.

Ao chegar próximo ao final, avistar a cidade da Régua toda acesa já por volta das 21:30 foi também inesquecível. Chegaria à meta cerca de 40 minutos e uma descida quase sádica depois.

E cheguei inteiro, inclusive em um estado bem melhor do que em Comrades. Os pés estavam marcados por bolhas e dores, claro – mas as pernas, o resto do corpo e o ânimo, intactos.

Hoje, domingo, depois de uma noite bem dormida, é hora de curtir o efeito prolongado da realização de uma ultra – principalmente desta, meta final de um treino que durou três longos e suados meses.

Sensação de missão cumprida, de auto-realização, de orgulho.

E de ter captado paisagens e sensações que certamente levarei por toda a vida.

IMG_5385.JPG

IMG_5386.JPG

IMG_5387.JPG

IMG_5384.JPG

IMG_5391.JPG

IMG_5389.JPG

IMG_5388.JPG

IMG_5390.JPG

IMG_5394.JPG

IMG_5393.JPG

IMG_5392.JPG

IMG_5395.JPG

IMG_5396.JPG

IMG_5397.JPG

IMG_5399.JPG

IMG_5398.JPG

IMG_5400.JPG

IMG_5403.JPG

IMG_5402.JPG

IMG_5401.JPG

IMG_5410.PNG

IMG_5423.JPG

IMG_5424.JPG

Publicidade

Percurso da Douro Ultra Trail visto de cima

Dia desses, navegando pela Fan Page da organização da DUT, acabei me deparando com uma série de imagens do percurso feitas de helicóptero. Esta fase de agora, de finalização de todo o processo de transição que começou na semana seguinte a Comrades, é feita de plena e irrestrita ansiedade pela prova-alvo. Isso inclui beber imagens, vídeos, ouvir histórias, conversar com corredores locais etc.

E, claro, uma oportunidade assim de ver essas imagens certamente não ficaria de fora. Veja algumas das imagens abaixo – e, se quiser acessar o álbum completo, clique aqui.

Screen Shot 2014-08-24 at 7.18.46 PM Screen Shot 2014-08-24 at 7.18.55 PM Screen Shot 2014-08-24 at 7.19.04 PM Screen Shot 2014-08-24 at 7.19.11 PM Screen Shot 2014-08-24 at 7.19.19 PM Screen Shot 2014-08-24 at 7.19.27 PM Screen Shot 2014-08-24 at 7.19.35 PM Screen Shot 2014-08-24 at 7.19.45 PM Screen Shot 2014-08-24 at 7.19.53 PM Screen Shot 2014-08-24 at 7.20.01 PM

(e nada impede também de rever o vídeo promo da prova, abaixo):