Checkpoint: No caminho certo

Eu tinha uma meta bem prática essa semana: me sentir “zerado”, com pernas frescas e motivação alta.

A motivação está transbordando – mas não sei se as pernas estão assim tão frescas quanto eu gostaria. Às vezes, no entanto, bate aquela sensação de que, embora nem tudo tenha saído como planejado, o caminho está corretíssimo.

Primeiro, porque consegui me definir quanto a todo o preparo para a largada lá em Minas, na semana que vem: equipamento, nutrição e força de vontade estão perfeitamente equacionados.

E, segundo, porque ignorei um pouco a planilha esta semana e bati os 70km rodados – algo que pode até parecer pouco quando comparado a tempos de outros corredores de ultra ou mesmo aos meus marcos no ano passado mas que, dado o “vale escuro” de onde estou saindo, é perfeito.

Aliás, considerando que tem 90km para rodar daqui a 6 dias, esse volume até que está bem razoável, principalmente quando se leva em conta também que o pace médio está ali, sólido, suavemente mais lento do que os meus ritmos mais intensos mas bem mais confortável e consistente.

Screen Shot 2015-03-29 at 10.31.00 AM

Screen Shot 2015-03-29 at 10.30.38 AM

Uma fadiga ainda persiste nas pernas, principalmente em subidas, mas acredito que isso desapareça com a variação do treino da semana que vem (essencialmente composto de muito descanso e alguns tiros curtos) e, talvez, um Flanax para forçar um alívio maior.

A essa altura, há pouco que pode ser feito para melhorar qualquer que seja a condição – o que não é exatamente um problema. Como disse, o caminho em si está certo e agora é confiar e correr.

Anúncios

Checkpoint: Em plena adaptação à LCHF

De toda a semana, eu diria que o mais significativo foi, sem dúvidas, os sintomas de adaptação à “Low Carb, High Fat” (LCHF). De acordo com muitos artigos e relatos que li, há uma fase mais aguda de queda de performance quando o corpo ainda está aprendendo a lidar com o uso de gordura (ao invés de carboidrato) como fonte primária de energia.

Apesar da intensidade de treinos que tive nos últimos meses, nada mais explicaria o resultados dos últimos dias. Hoje, por exemplo, saí para 1h de corrida apenas levemente abaixo dos 6min/km e, já antes da metade, comecei a sentir uma fadiga forte nas pernas. O curioso é que não tive nada nem remotamente semelhante a fome ou àquela sensação de “falta de combustível”. O tanque estava cheio – ele apenas não respondia direito.

Ainda bem que existe a Internet: poucos recursos permitiram uma troca de experiências com outras pessoas ao ponto de nos fazer entender melhor sintomas como estes, algo que, em outros casos, me deixaria em pânico dada a proximidade da Ultra Estrada Real.

Falando nela, há apenas 2 semanas de preparo final. É difícil prever se estarei ou não plenamente adaptado até lá e, embora soubesse desse risco antes de mudar a dieta, sigo confiante de que tudo dará certo. Pela minha ótica, afinal, basta persistir mantendo o ritmo planejado de treino, garantindo uma ingestão realmente baixa de carboidratos (algo entre 30g e 50g/ dia) e interpretando as coisas mais estranhas como adaptação.

Do ponto de vista de gráfico de treino, o meu começa a parecer uma piada quando comparado ao do ano passado. Mas tudo bem: ainda é cedo para arriscar qualquer palpite sobre ele considerando que a prova alfa mesmo, a Comrades, está ainda a mais de 2 meses de distância.

Pelo menos o pace médio voltou a um nível mais desejável.

Sigamos treinando.

Screen Shot 2015-03-22 at 4.51.42 PM

Screen Shot 2015-03-22 at 4.52.20 PM

O difícil planejamento do período entre provas

Quando se está entre duas provas alfa, há uma sensação de tempo. Desde que terminei Comrades e me inscrevi na Douro Ultra Trail pude organizar treinos, planejar provas de teste e preparar todo o caminho entre ponto A e ponto B. 3 meses pareciam longos o suficiente para qualquer preparo.

O problema não estava aí, entre a Comrades e a DUT.

O problema está entre a última prova teste e a alfa – principalmente quando os cronogramas são apertados.

No meu caso, entre a Indomit, no sábado passado, e a Douro Ultra Trail, em três semanas.

Hoje é quinta – e, claro, estou ainda em processo de recuperação dos danos causados ao corpo por 6 horas e meia de corrida em 42km de trilhas absolutamente encharcadas e técnicas. As pernas doem, os joelhos incomodam, os pés ardem.

Os treinos desta semana até estão mais leves do que o normal – só que, sendo franco, apenas mais dias de descanso absoluto me deixariam em forma de novo. Dias que, pela proximidade dos 80km do DUT, eu não tenho.

Então, esta semana, estou convivendo com a dor. Treinei leve na terça e quarta, com uma pausa hoje (por conta principalmente de uma viagem bate-volta a trabalho, eliminando a chance de dormir um pouco mais). Amanhã, sexta, tenho intervalados; sábado, um longo de 2 horas; e domingo, um regenerativo leve.

Se tudo der certo, a dor e a fadiga serão gerenciados de maneira a irem diminuindo levemente, aos poucos, até ficarem mais suportáveis. Pelo menos esse é o plano.

Segunda é dia de descanso e de esperança de estar “zerado” – ao menos dentro do minimamente plausível.

A semana que vem, por sua vez, será a mais chave de toda a reta final rumo à DUT, com três longões inseridos em 5 dias.

Só que descobri que, quando se está no extremo da exaustão, a mente deve se focar no curto prazo, em vencer um dia de cada vez. Semana que vem é outra história.

Por enquanto, a meta inclui me concentrar no corpo e na presença desta linha tênue entre a manutenção do treinamento e a possibilidade de lesão. Por enquanto, todo o esforço deve ser feito para me manter em um único pedaço, inteiro, saindo da zona de perigo o quanto antes (mas sem pânico ou afobações que possam prejudicar o objetivo final).

Calendários curtos entre provas alfa tem disso: afinal, são 3 meses entre correr os 90km de Comrades, transicionar para as trilhas e partir para 80Km nas montanhas portuguesas. Talvez eu realmente tenha sido agressivo demais, quase descuidado. Talvez precisasse mesmo considerar um tempo maior para este processo todo.

Mas, como chorar o leite derramado não adianta, é hora de respirar fundo, me concentrar no próprio corpo e nos desafios diários.

É hora de seguir em frente.

IMG_5132.JPG