Ressaca high carb e readaptação

Na medida em que o tempo vai passando, meu corpo se acostuma mais e mais com o estilo low-carb. Comecei, afinal, lá em março – tempo o suficiente para que eu nem me lembre mais de como era viver de outra maneira. Até que o corpo seja forçado a se lembrar, claro.

Esse “imposição”, por assim dizer, aconteceu em uma festa de aniversário. Há duas semanas, minha filha comemorou 4 anos e eu acabei mergulhando em quilos de brigadeiro com a mesma gana de um alcoólatra depois de dar o primeiro gole de whisky. 

A partir daí, confesso que acabei inserindo ao menos uma barrinha de chocolate e ampliando o consumo de carboidratos no cotidiano diário. O resultado? 

Na semana passada, estava lerdo. Lento. Desmotivado. Cansado. 

Isso passou, ainda bem. 

Mas, nos últimos dias, cada pequena “bomba” de carboidrato que como gera uma dor de cabeça quase instantânea. Nada como uma enchaqueca daquelas aterrorizantes que, graças aos céus, nunca tive na vida: apenas um leve (porém irritantemente consistente) incômodo.

Pelo que pesquisei, isso não é exatamente incomum: há centenas de relatos de pessoas que passam por essa sensação de ressaca high carb. E há uma série de “remédios”, muitos deles bem parecidos com a maneira de se tratar ressacas alcóolicas: tomar água, comer (mais proteína e gordura, naturalmente), se exercitar para queimar os carbs extras. 

Mas se esse tipo de incômodo não aparecia antes, quando minha restrição a carboidratos era ainda maior, por que agora? Minha dedução, embora ainda sujeita a testes, é que os benditos brigadeiros relembraram o corpo de como carboidratos são deliciosos. Feito isso, tive que começar tudo de novo – e, como a adaptação ao low-carb inclui mesmo essa fase mais chata com dores de cabeça, tontura etc…. Bom… uma coisa leva à outra.

Tá… mas a readaptação não deveria já ter ocorrido? Pode até ser que sim – só que esse consumo diário de chocolates e coisas do gênero devem estar postergando ou diminuindo o processo como um todo. 

Seja como for, há apenas uma forma de saber: testando. Hora de re-restringir o consumo de carbs da mesma maneira que fazia no começo da dieta, mesmo que por alguns dias apenas. E, claro, hora também de fazer novos exames para ver se o corpo continua bem e com os indicadores positivos que estavam no mês passado. 

  

Vale a pena dar uma escapadinha da low-carb?

Cada um tem seus vícios. Além da corrida, o meu é bem pouco saudável: chocolate. 

Cheguei, um dia, a fazer um teste online de alcoolismo (trocando álcool por chocolate no questionário) para medir a intensidade desse “problema”. No teste, qualquer pontuação acima de 8 já recomendaria uma visita aos AAA. Fiz 13. 

Como chocolate é puro açúcar, no entanto, controlá-lo é meio essencial para qualquer dieta low carb. O meu mecanismo de controle é simples: evitar que ele sequer exista dentro de casa. Claro: uma pequena barrinha ou um brigadeiro isolado não matam – em geral, eles ficam entre 10 e 25g de carboidratos.

Mas e quando se exagera? Quais os efeitos práticos de se empanturrar de carboidrato quando se está há tanto tempo em uma dieta restritiva? 

Descobri isso no sábado, aniversário da minha filha, quando um estoque de brigadeiro sem fim entrou pela porta de casa. No começo, foi um só. 

Depois outro. 

Minutos depois, me peguei estocando toda uma bandeja para pequenos assaltos durante a festa. E assaltei sem dó. Devo ter comido uns 30 brigadeiros – para dizer o mínimo. Isso sem contar com o bolo e com um ou outro pedaço de Kit Kat, que também estava presente em abundância. 

Para quem estava habituado a 90g de carboidrato por dia, um pico de mais de 500 certamente dá efeito. Certo? 

Certo. E muito. 

Essa escapadinha da LCHF me rendeu dores de cabeça intensas e um estômago em constate reclamação. A dor de cabeça atravessou a noite de sábado e foi até o domingo à noite. 

No domingo, restringi novamente o consumo e voltei a sentir aqueles mesmos sintomas da fase de adaptação, que inclui um pouco de mal estar e períodos de fome com os quais eu não estava mais habituado. 

Me forcei ao máximo e consegui me manter firme. Sei que ainda terei um tempo, de novo, para me readaptar: agora mesmo estou escrevendo com uma fome do tipo que nunca se sente quando se está na low-carb. Só que agora, claro, a hora é de matá-la com mais bacon e menos chocolate :-)

Essa escapadinha, no entanto, me deu uma resposta para uma pergunta que sempre me fiz: vale a pena dar uma escapadinha da low-carb de vez em quando? 

Minha resposta: se a escapadinha for leve e permitir que o consumo permaneça relativamente baixo, como uma pizza ou coisa do gênero, não vejo problema. Por outro lado, tomar bombas de carboidrato levam o corpo a sintomas tão desnecessários que, honestamente, prefiro ficar sem eles.