A pressa e o pace

Quer treinar em uma intensidade maior? Você não precisa de relógio ou qualquer app de live coaching: basta estar atrasado.

Exemplo prático: encaixe 11km no horário de almoço entre reuniões. Você não conseguirá sair com tempo de sobra: reuniões tem um ritmo próprio que, sadicamente, tende a se arrastar quanto mais cedo você quiser ou precisar sair.

Também não poderá voltar tão cedo para a próxima: 11km, afinal, são 11km. Dá menos que uma hora se for rápido (ao menos sob meus parâmetros), mas ainda assim sob pressão considerando que será necessário ainda tomar um banho para voltar “bem” ao trabalho.

Resultado: o pace será instintivamente acelerado pela pressa. Não será a corrida mais zen do mundo: a pressão do tempo o fará querer engolir – e não saborear – os quilômetros. Mas, ao mesmo tempo, será um belo treino, com toda a intensidade que uma manhã com tempo de sobra não consegue entregar.

A pressa pode não ter aquele sabor deliciosamente endorfinado que buscamos nas trilhas – mas ela certamente é muito amiga do pace.

  

Deslocado

Sente-se – ou pelo menos eu me sinto – um alien ao sair para correr na hora do almoço. Tudo parece desritmado: não se está abrindo ou fechando o dia, está se perdendo calorias quando todos ao redor concentram-se em ganhá-las, os trajes esportivos são o oposto das calças e camisas sociais que se escondem atrás das buzinas nervosas com semáforos.

E é exatamente por esses motivos que correr ao meio dia faz tão bem.

Quebrar as mais sólidas rotinas, afinal, parece gerar uma vitalidade poderosa, fruto parte de um certo constrangimento por se estar tão deslocado e parte da alegria pelo exato mesmo motivo.

Deveria fazer isso mais vezes.